Venda de armas a sauditas direciona política de Trump para reeleição em 2020

Presidente acredita que corrida da Arábia Saudita por arsenal americano cria empregos em Estados cruciais para sua reeleição

Luiz Raatz , O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2019 | 06h30

A tensão no Estreito de Ormuz, a rivalidade entre Arábia Saudita e Irã e a proximidade de Donald Trump com Riad têm impulsionado a compra de armas americanas pelo reino saudita. Por trás das vendas bilionárias está a aposta do presidente, que acredita que os acordos criem empregos em Estados-chave para sua reeleição, no ano que vem.

A Câmara dos Deputados dos EUA barrou, na semana passada, um novo pacote de venda de armas para Arábia Saudita e Emirados Árabes no valor de US$ 8 bilhões, com o argumento de que elas estavam sendo usadas em massacres de civis por tropas sauditas no Iêmen e evitar que Trump drible o Congresso em questões de política externa e segurança nacional.

Os pacotes de venda de armas precisam ter autorização do Legislativo. No último deles, no entanto, o presidente alegou “necessidade emergencial” para concluir a venda. Durante o governo Trump, as compras sauditas cresceram 92% em comparação com o último ano da presidência do democrata Barack Obama, segundo levantamento do Instituto Internacional de Pesquisa da Paz em Estocolmo (Sipri, na sigla em inglês). 

Em 2016, os sauditas compraram US$ 1,7 bilhão em armas americanas. Esse valor, em 2018, cresceu para US$ 3,35 bilhões. Ainda de acordo com o Sipri, a Arábia Saudita respondeu, no ano passado, por 12% das compras mundiais de armas. Entre 2014 e 2018, o volume de compras de armamentos dos sauditas cresceu 192%. 

Analistas são unânimes em atribuir ao menos três razões para essa corrida saudita por armas. O primeiro deles é o conflito com os rebeldes da etnia houthi no Iêmen. A minoria xiita, respaldada pelo Irã, luta pelo controle do país desde a queda de Ali Abdullah Saleh, na esteira da Primavera Árabe, que trouxe instabilidade à região. Os sauditas não aceitam a influência xiita na Península Arábica.

Para Seth Binder, do Projeto sobre Democracia no Oriente Médio, as vendas de armas sob o governo Trump subiram com relação ao período de Obama, que costumava vetar algumas exportações em razão do conflito no Iêmen. “O governo Trump apoiou significativamente a Arábia Saudita no conflito com os houthis”, avalia Binder.

O segundo fator que contribui para o aumento na compra de armas americanas pelos sauditas é a crescente tensão com o Irã. Desde que assumiu o poder, Trump tem criticado Teerã e se colocado contra o acordo nuclear alcançado por Obama, em 2015. No ano passado, o pacto foi abandonado pelos EUA, com o apoio tácito da Arábia Saudita, rival regional dos iranianos.

Outro ponto que facilita os negócios entre Washington e Riad é a proximidade de Trump com a casa real da família Saud. Em uma de suas primeiras viagens internacionais, o presidente se aproximou do rei Salman e do príncipe Mohamed Bin Salman, líder de facto do país. O genro de Trump, Jared Kushner, também é um interlocutor do príncipe, acusado de ser o mandante do assassinato, na Turquia, do jornalista saudita Jamal Khashoggi, um duro crítico da monarquia. 

Jeff Abramson, pesquisador da Arms Control Association, ressalta que Trump sempre teve os sauditas como foco. “Ele acredita que essas vendas são importantes para sua política externa”, diz.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.