Venda de armas em todo mundo cai após 13 anos

A venda de armas por parte dos maiores fabricantes mundiais caiu em 2011, o que representa a primeira queda desde meados dos anos 1990. As medidas de austeridade dos países europeus e a reduzida presença dos EUA no Iraque e no Afeganistão atingiram os gastos militares.

AE, Agência Estado

19 de fevereiro de 2013 | 08h21

As 100 maiores empresas produtoras de armas do mundo venderam US$ 410 bilhões em armas e serviços militares em 2011, declínio de 5% em relação ao ano anterior, de acordo com relatório divulgado ontem pelo Stockholm International Peace Research Institute (Sipri).

A crise econômica está levando algumas companhias a elevar os esforços para se envolver mais na indústria de cibersegurança, que tem mostrado crescimento.

A Sipri disse que, em geral, os gastos militares globais estagnaram em 2011, quebrando 13 anos de aumentos contínuos de gastos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
mundoarmasvenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.