Vendas de têxteis para a Argentina podem cair 50%

As exportações de têxteis para aArgentina, segundo maior mercado para os produtos brasileiros dosetor, podem cair até 50% nos primeiros meses do próximo ano porconta da grave crise pela qual passa o país, avalia PauloAntonio Skaf, presidente da Associação Brasileira da IndústriaTêxtil (Abit). "Estamos prevendo um travamento forte do mercadoargentino, principalmente no primeiro semestre", disse Skaf.A expectativa de Skaf é de que as exportações para opaís vizinho tenham queda de 10% ante este ano. Ele disseesperar que se resolvam os problemas políticos "porque a criseeconômica não acabará sem que o lado político seja acertado".O presidente da Abit não teme a moratória argentina,"que é só para as instituições financeiras, não para osfornecedores".A Argentina compra entre 15% e 20% das exportaçõesbrasileiras de têxteis, acima dos cerca de 25% comprados pelosnorte-americanos. Em 1999 e 2000, a Argentina era o maiorcomprador dos têxteis nacionais, com uma fatia de 25% dasexportações.Este ano, o setor deve fechar com vendas externas de US$1,4 bilhão, segundo Skaf. Haverá um superávit de US$ 80 milhões(US$ 43 milhões até novembro).2002 - Para o ano que vem, a expectativa da Abit é de que osetor tenha um superávit de US$ 300 milhões. A indústria têxtilfaturou US$ 22 bilhões neste ano, valor em dólar igual ao do anopassado. De acordo com Skaf, foram criados 20 mil postos detrabalho, elevando o número de funcionários do setor para 1,450milhão.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.