Vendedores de cigarro em greve contra aumento de preços

Vendedores de cigarros em toda a França receberam o novo aumento nos preços, hoje, fechando as portas das tabacarias e pontos de venda numa greve sem precedentes na guerra que o governo move ao fumo. A Confederação de Vendedores de Fumo informou que 90% de seus 34.000 associados fecharam ou recusaram-se a vender cigarros. Avisos colados nas portas das tabacarias pedem compreensão aos fumantes: ?Sua tabacaria está lutando pela sobrevivência.? E o jornal Libération - um dos que traz o reajuste em manchete ? dedicou sua primeira página à uma foto gigante de um cigarro apagado.O aumento de 20% nos preços, hoje, provocado por um arrocho nos impostos empurrou o preço médio do maço para ? 4,60 (15,64). É a segunda elevação este ano, com outra prevista para o início de 2004, que fará o preço médio bater nos proibitivos ? 5,40 (R$ 18,36) ? quase 50% de aumento no espaço de um ano.Os três reajuste nas taxas em 12 meses tornarão a França um dos mais caros lugares da Europa para se fumar. Com o aumento de hoje, os impostos já representam 80% do preço de um maço.Cerca de 20 milhões de franceses fumam ? mais de um terço da população ? sendo que os 50% dos fumantes na faixa de 15 a 24, são a porcentagem mais alta da União Européia, segundo números do governo.O ministro da Saúde Jean-François Mattei defende o aumento dos impostos como a maneira mais efetiva de cortar a dependência francesa da nicotina. As vendas de cigarros caíram inesperados 8,2% nos primeiros oito meses do ano. Mattei sinalizou de que a próxima rodada de aumento de impostos pode ser adiada, mas não deu sinais que possa voltar atrás ? como pedem, hoje, os vendedores.

Agencia Estado,

20 de outubro de 2003 | 14h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.