Vendedores festejam lucro extra

Em razão dos saques, vendas de armas aumentam e animam comerciantes do ramo

Guilherme Russo, Enviado especial / Córdoba, Argentina,

21 de dezembro de 2013 | 15h57

Luis Menaldi, proprietário de loja de armas de Córdoba: faturamento em alta com onda de saques. (Foto: Guilherme Russo/Estadão)

CÓRDOBA, ARGENTINA - Luis Menaldi, de 63 anos, há 40 comercializa e conserta escopetas, espingardas, pistolas e revólveres na Rua Catamarca, no centro de Córdoba. Ele afirma que clientes passaram a procurá-lo "quatro vezes mais" nos dias seguintes aos saques do começo do mês - e o movimento continua alto.

"Nem bem ocorreram os problemas, as pessoas decidiram comprar armas para se defender. É uma reação de sobrevivência. É impossível se defender de mãos vazias", disse.

Inexperientes no assunto, muitos comerciantes pedem conselhos sobre qual armamento devem usar, segundo o relato de Menaldi.

"Explico para eles que a arma mais contundente é a escopeta longa, calibre 12, de repetição. Essa arma intimida muito", afirmou,

Grande parte dos clientes de lojas de armas, porém, se decepcionaram por não poderem se armar imediatamente. Eles não têm a licença necessária - que demora ao menos 60 dias para ser obtida. Mas, segundo Menaldi, isso não atrapalhou os negócios.

Para comprar armas na Argentina é necessário comprovar meio de vida lícito e apresentar um certificado que comprove a ausência de antecedentes criminais, além de fazer curso de tiro e obter atestados oficiais de saúde física e mental.

A mulher de Menaldi, Patricia Sánchez, de 53 anos, que o ajuda a tocar o negócio, ressaltou que muitos comerciantes os procuraram também para consertar armas guardadas "há muito tempo".

Ambos concordaram que este foi o mês mais movimentado desde a crise de dezembro de 2001, quando, segundo eles, muitos argentinos também se armaram para evitar saques.

O comerciante Ricerdo Boras, de 56 anos, e o vendedor Ezequiel Durán, de 27, que trabalham em outras duas lojas de armas no centro de Córdoba, afirmaram que a procura por seus produtos aumentou "20%" em dezembro.

Já Jesus Leonelli, de 38 anos, dono de uma loja de armamento no bairro Villa Cabrera, no norte de Córdoba, disse que duplicou suas vendas este mês.

"Para mim, esses saques foram positivos. Ajudaram nos negócios". declarou Leonelli. "Todo mundo está comprando. As pessoas se deram conta de que se a polícia não está, não há quem as defenda. Os atacadistas (de armas) estão ficando sem estoque."

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaSaquesCristina Kirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.