Italian police handout/Handout via Reuters
Italian police handout/Handout via Reuters

Veneza testa barreira anti-inundação meses após ser devastada pela maré 

Obra ambiciosa de engenharia, o sistema fechará a entrada do mar e evitará as inundações na cidade; as piores inundações em mais de 50 anos deixaram a histórica Praça de São Marcos debaixo de mais de um metro de água em novembro

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2020 | 19h32

VENEZA - A cidade italiana de Veneza testou nesta sexta-feira, 10, barreiras para conter inundações meses depois que o aumento das marés inundou canais, praças e palácios históricos da cidade. O teste foi feito em uma demonstração pública. 

As piores inundações em mais de 50 anos deixaram a histórica Praça de São Marcos debaixo de mais de um metro de água em novembro de 2019.

O projeto Mose — elaborado em 1984, mas ainda incompleto uma década após a data prevista para entrar em operação — foi palco de escândalos de corrupção e custos excedentes.

O premiê da Itália, Giuseppe Conte, participou do teste e iniciou o sistema computadorizado que ergueu simultaneamente todos os 78 portões gigantes de comporta acima da água pela primeira vez.

“Estamos aqui para um teste, não um desfile”, disse Conte, enquanto multidões que protestavam contra os gigantescos navios de cruzeiro de onde desembarcam milhares de turistas diariamente eram mantidas a uma distância segura.

A crise desencadeada pelo novo coronavírus paralisou temporariamente o turismo de massa.

Conte reconheceu a corrupção “vergonhosa” que perseguiu o projeto, mas disse que agora é hora de todos, mesmmo os manifestantes, olharem para o futuro. “Todos temos de torcer para que funcione”, afirmou ele.

A barreira anti-inundação, que custou € 7 bilhões, não deve estar totalmente funcional até o próximo ano.

Obra ambiciosa de engenharia, o sistema fechará a entrada do mar e evitará as inundações na cidade, formada por 118 ilhas. A barreira pode ser levantada em 30 minutos e desaparecer totalmente sob a àgua quando não estiver ativada, uma estrutura única no mundo.

Uma vez operacional, o sistema Mose foi projetado para proteger Veneza de marés de até 3 metros, muito além do recorde atual, mas alguns especialistas temem que ele fique sobrecarregado pela elevação do nível do mar prevista pelos recentes modelos de mudança climática.

A célebre cidade bizantina, uma das mais turísticas do mundo, afundou quase 30 centímetros em um século. A maioria dos sistemas naturais de proteção se debilitou, devido, entre outros motivos, ao rápido desenvolvimento industrial das localidades vizinhas.

Os ambientalistas, contrários ao projeto, consideram o sistema já ultrapassado e não leva em conta que o fenômeno "acqua alta" agravou-se com as mudanças climáticas./REUTERS e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.