Carlos Garcia Rawlins / Reuters
Carlos Garcia Rawlins / Reuters

Venezuela celebra aniversário de Chávez com fogos e bolos

Chávez inesquecível, ainda marca com seu amor à pátria, disse Maduro; oposição critica custos da festa em meio a crise econômica

O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2015 | 09h19

CARACAS - O governo da Venezuela e simpatizantes  presidente Hugo Chávez, morto em 2013,  celebraram na terça-feira, 28, o 61º aniversário de seu nascimento, com atividades realizadas em Caracas, e Barinas, estado natal do líder chavista.

Os atos começaram à meia-noite, quando fogos de artifício foram lançados de vários pontos de Caracas. Enquanto isso, o atual presidente e herdeiro político de Chávez, Nicolás Maduro, acompanhado de ministros e deputados governistas, foi até o Quartel da Montanha, onde jaz o corpo do ex-presidente, para prestar homenagens.

Maduro, que posteriormente viajou a Nova York para se reunir com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, também usou o Twitter para homenagear o ex-líder venezuelano.

"Hoje lembramos nosso comandante em 61 anos de vida. Chávez inesquecível, ainda marca com seu amor à pátria", disse Maduro.

Vários bolos foram feitos para homenagear o 61º aniversário de nascimento de Chávez. Um deles foi distribuído no próprio Quartel da Montanha para familiares do falecido presidente e ministros.

Durante a cerimônia, o vice-presidente da Venezuela, Jorge Arreaza, casado com Rosa Virgínia Chávez, filha do ex-presidente, afirmou que o atual governo não vai falhar em estabelecer a revolução bolivariana de Chávez.

Ao longo de todo dia, no mesmo local, foram realizados concertos musicais e peças de teatro para celebrar o presidente. Ele morreu no dia 5 de março de 2013 após uma longa batalha contra o câncer.

Em Barinas, Estado natal de Chávez e local onde ainda vive grande parte de sua família, os cantores da região interpretaram as canções preferidas do ex-presidente. Já em Sabaneta, cidade onde o líder passou a infância, um grupo de crianças representou diferentes momentos de sua vida em uma obra de teatro.

A imprensa oficial local, especialmente o jornal 4F, do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) - fundado por Chávez -, publicou uma edição especial contando a vida do ex-presidente.

Já a principal aliança de oposição do país, a Mesa da Unidade Democrática, criticou os custos da festa.

"O governo gasta milhões comemorando o aniversário de um morto, enquanto há 30 milhões de pessoas precisando de trabalho para sobreviver", disse o secretário-executivo da MUD, Jesus Torrealba, através do Twitter. / EFE 

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelachavismoHugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.