Yuri Cortez/AFP
Yuri Cortez/AFP

Venezuela inicia vacinação e oposição reclama de prioridade dada a chavistas

De acordo com plano anunciado pelo governo venezuelano, depois dos profissionais da saúde, prioridade será imunizar burocratas do regime, agentes das forças de segurança, militares e políticos ligados ao chavismo; opositores criticam uso político das vacinas

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2021 | 17h25
Atualizado 18 de fevereiro de 2021 | 21h38

CARACAS - O governo da Venezuela começou nesta quinta-feira, 18, seu programa de vacinação em massa. Segundo o presidente, Nicolás Maduro, os primeiros imunizados com a vacina russa Sputnik V serão os profissionais de saúde. A lista de prioridades, no entanto, inclui burocratas do regime, militares e deputados – a maioria ligada ao chavismo. 

A Venezuela tem cerca de 1 milhão de profissionais de saúde, de acordo com organizações médicas. Segundo Maduro, eles serão os primeiros a serem vacinados. No entanto, os grupos que vêm depois é que chamam a atenção. A lista de prioridades do governo inclui “pessoas com funções sociais que protegem a população nas ruas” – segundo Maduro.

Na prática, os vacinados serão agentes das forças de segurança, militares e altas autoridades governamentais, incluindo os 277 deputados da Assembleia Nacional, dos quais 92% são ligados ao chavismo, eleitos na disputa de 6 de dezembro, que a oposição afirma ter sido fraudada. 

Segundo Maduro, ele e sua mulher, Cilia Flores, que também é deputada, deveriam ser vacinados o quanto antes. “Ainda vamos decidir o momento em que nós (Maduro e Cilia) seremos vacinados”, afirmou o presidente, antes de rasgar elogios à Sputnik V, que segundo ele “é a melhor vacina do mundo”.

O objetivo do governo chavista é vacinar 70% da população venezuelana até o final do ano. Na semana passada, Maduro confirmou a chegada de 100 mil doses da Sputnik V e está em negociações para comprar mais vacinas usando recursos congelados pelo programa de sanções dos EUA.

Até agora, o chavismo comprou um total de 10 milhões de doses da vacina russa, pelas quais teria pagado US$ 200 milhões, segundo informou o próprio Maduro. O anúncio foi criticado nesta quinta-feira pela oposição. 

“Os critérios para a aplicação da vacina devem priorizar o setor saúde e os idosos, não aqueles que sequestram o poder como o ditador pretende fazer”, escreveu no Twitter o líder opositor Juan Guaidó, que não deixou passar o dinheiro gasto com a Sputnik. “O custo da vacina russa é inferior a US$ 10 (por dose). Se a ditadura diz que investiu US$ 200 milhões para trazer 10 milhões de doses, estamos falando que cada vacina custou US$ 20.” 

Outras vozes da oposição também criticaram a politização da vacina. “Exigimos que a população da Venezuela seja vacinada, começando pelos mais vulneráveis ao coronavírus, com critérios internacionais que não seja usado politicamente”, disse a ex-deputada de oposição Dinorah Figuera.

Celebração

O governo venezuelano, porém, comemorou o início do programa de vacinação. “Hoje, começamos o plano para servir àqueles que estão na linha de frente da luta contra o coronavírus”, disse a vice-presidente, Delcy Rodriguez, em pronunciamento na TV. “Nos próximos meses, teremos mais de 70% da população vacinada e alcançaremos a chamada imunidade de rebanho”, garantiu o ministro da Saúde, Carlos Alvarado.

Os números oficiais mostram que a Venezuela teve um total de 134.319 casos de covid-19 e 1.297 mortes. No entanto, especialistas e líderes da oposição afirmam que o número é muito maior. O sistema de saúde venezuelano é um reflexo da crise econômica vivida pelo país. Médicos e enfermeiros frequentemente reclamam dos baixos salários e das más condições de trabalho nos hospitais públicos, que sofrem com a falta de água, energia e remédios.

No hospital Miguel Perez Carreno, no oeste de Caracas, 150 enfermeiras – 90% do total – não compareceram ao trabalho nesta quinta-feira em protesto contra o salário de apenas US$ 3 (pouco mais de R$ 16) por mês. O Ministério da Informação da Venezuela não respondeu aos pedidos de entrevista feitos pela Reuters. 

Nesta quinta-feira, imagens da emissora VTV mostraram as primeiras doses da vacina sendo aplicadas em um hospital do Estado de Miranda – perto de Caracas –, que é referência para tratar casos de covid-19. Segundo o governado estadual, 80 mil pessoas já foram tratadas de covid no hospital. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.