REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

Venezuela declara embaixador espanhol em Caracas persona non grata

Chanceler Jorge Arreaza diz que medida foi tomada para expressar a 'categórica rejeição' às declarações do premiê espanhol, Mariano Rajoy, sobre o governo bolivariano; país não ordenou expressamente que Jesús Silva Fernández deixe Caracas

O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2018 | 15h21

CARACAS - O Governo da Venezuela declarou nesta quinta-feira, 25, "persona non grata" o embaixador espanhol em Caracas, Jesús Silva Fernández, pelas contínuas "agressões e recorrentes atos de ingerência" do Governo espanhol nos assuntos internos da Venezuela.

Polarização alimenta apoio a regimes autoritários

"O Governo Bolivariano da Venezuela decidiu declarar 'persona non grata' o Embaixador do Reino da Espanha, Jesús Silva Fernández", diz o comunicado publicado pelo chanceler venezuelano, Jorge Arreaza.

Ainda que em casos como este a pessoa declarada deva abandonar o país, o comunicado emitido por Caracas não ordena expressamente a expulsão do embaixador Silva e nem fixa prazos neste sentido.

Caracas expressou "sua categórica rejeição" a algumas declarações que o premiê espanhol, Mariano Rajoy ,fez na véspera, quando qualificou como "muito merecidas" as sanções aprovadas nesta semana pela União Europeia (UE) contra sete altos funcionários venezuelanos.

Maduro pede que trabalhadores 'se comprometam por escrito' a votar nele

Rajoy considerou "sensato e razoável" que a Espanha lidere a ação política da UE perante a situação na Venezuela, porque, disse, "é a sua obrigação e alguém tem que ajudar" os venezuelanos perante "as brutais decisões e a forma de entender a democracia do senhor Maduro".

O Governo venezuelano criticou estas "medidas restritivas", e disse que são contrárias "aos mais elementares princípios do Direito Internacional".

Além disso, acusou Rajoy de ter se comprometido perante os Estados Unidos a liderar os "ataques à soberania e independência do povo venezuelano com os seus parceiros europeus, em troca de inconfessáveis benefícios políticos e econômicos para proveito particular de uma parte da cúpula que governa a Espanha".

O comunicado do chanceler aponta também a Espanha como "um dos países mais desiguais da Europa" e celebra que os venezuelanos "por sorte não têm que sofrer com as decisões" das políticas de Estado aplicadas por Rajoy.

Sem dinheiro e internet, comerciantes usam criatividade em praias turísticas da Venezuela

"O governo bolivariano lembra ao governo espanhol que o caráter soberano e independente da nossa República Bolivariana foi conquistado através de um complexo processo de liberdade que culminou com a expulsão definitiva das forças invasoras imperiais há quase 200 anos", acrescenta a nota oficial.

A Venezuela chamou na quarta-feira para consultas seu embaixador em Madri, Mario Isea, devido à agressão "colonialista" do governo da Espanha.

Arreaza entregou também uma "contundente" nota de protesto a diplomatas da União Europeia (UE) credenciados no país, e prometeu "respostas" em "distintas dimensões", depois das sanções do bloco. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.