Venezuela denuncia ingerência dos EUA

O governo da Venezuela denunciou como ingerência a declaração oficial do Departamento de Estado dos EUA divulgada depois do anúncio do retorno do presidente Hugo Chávez a Caracas.

AE, Agência Estado

20 de fevereiro de 2013 | 17h05

A porta-voz da chancelaria norte-americana, Victoria Nuland, defendeu que "os venezuelanos decidam como acontecerá a transição" na Venezuela.

Hoje, a chancelaria venezuelana divulgou nota considerado que o comentário "constitui uma nova e grosseira interferência de Washington em assuntos internos" do país.

"As especulações da referida porta-voz sobre a situação do presidente Hugo Chávez e sobre as instituições venezuelanas geraram uma profunda indignação no povo da Venezuela, que hoje acompanha com entusiasmo e afeto o comandante presidente", prossegue a nota.

Chávez foi reeleito para um novo mandato como presidente em outubro do ano passado. Em dezembro, no entanto, ele precisou viajar novamente a Cuba para extrair cirurgicamente um tumor reincidente na pelve. A recuperação prolongada impediu que Chávez fosse empossado em janeiro, conforme o previsto originalmente.

No início desta semana, depois de pouco mais de dois meses ausente, Chávez anunciou pelo Twitter seu retorno a Caracas. De acordo com o governo, Chávez foi levado do aeroporto diretamente para um hospital militar. Apesar do regresso, Chávez não apareceu em público desde que voltou a seu país. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaChávezEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.