Venezuela é destino de reféns, diz jornal

Grupo de três seqüestrados a ser libertado pelas Farc será entregue a Chávez antes do Natal, segundo ?El Tiempo?

Bogotá, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2007 | 00h00

O grupo de três reféns que a guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciou que vai libertar "como um gesto de boa vontade" já estaria a caminho da Venezuela para ser entregue ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, antes do Natal. De acordo com o jornal colombiano El Tiempo, Clara Rojas - aspirante à vice-presidência na chapa da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, seqüestrada com ela em 2002 -, o filho que Clara teve com um guerrilheiro, Emanuel, de 3 anos, e a deputada Consuelo González de Perdomo, refém desde 2001, teriam sido levados do cativeiro, localizado entre os departamentos (Estados) de Caquetá e Guaviare (sul e centro-sul), pelo Rio Apaporis.Uma das possibilidades é a de que eles tenham chegado perto da fronteira com a Venezuela pelos departamentos de Vaupés e de Guainía. Analistas do El Tiempo estimam ainda que a libertação deve ocorrer no Estado venezuelano de Barinas, cujo governador é o pai de Chávez, Hugo de los Reyes. O ministro do Interior da Venezuela, Pedro Carreño, afirmou ontem que a polícia está aguardando a ordem de Chávez para receber os reféns. "Vamos implementar ações para garantir a segurança e a vida não só dos seqüestrados, mas também das pessoas que vão entregá-los", disse Carreño.O ministro da Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, afirmou que o governo da Colômbia pode receber ajuda do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para garantir a segurança no processo de libertação. No entanto, o CICV informou que ainda não foi procurado nem pelo governo nem pela guerrilha. Ainda de acordo com o jornal colombiano, a decisão das Farc de soltar os seqüestrados na Venezuela seria uma tentativa de evitar que o grupo fosse interceptado pelo Exército colombiano - do mesmo jeito que mensageiros da guerrilha que levavam provas de sobrevivência dos reféns foram interceptados em novembro, quando se dirigiam para Caracas.Na terça-feira, a guerrilha anunciou que entregaria os três seqüestrados - que fazem parte do grupo de 46 reféns políticos das Farc - a Chávez, ou a quem o presidente designasse. As Farc tentam trocar os reféns por 500 guerrilheiros presos. Para negociar o acordo humanitário, a guerrilha exige a desmilitarização dos municípios de Florida e Pradera, no Departamento de Valle del Cauca, por 45 dias. O governo do presidente colombiano, Álvaro Uribe, rejeita a exigência. No mês passado, Uribe decidiu encerrar a mediação que Chávez vinha exercendo entre o governo de Bogotá e as Farc, com a ajuda da senadora colombiana Piedad Córdoba. Chávez qualificou a atitude de Uribe de "traição" e disse que estava no caminho de convencer a guerrilha a libertar alguns dos reféns até o Natal. Na quarta-feira, Piedad afirmou em Washington, nos EUA, que a libertação dos reféns poderia ocorrer na Venezuela ou no Brasil.De acordo com analistas, a certeza com que Piedad afirmava que alguns reféns seriam soltos antes do dia 31 levanta a suspeita de que a libertação tenha sido negociada com a Venezuela antes do fim da mediação de Chávez.AP E REUTERSLIBERDADE IMINENTEOS REFÉNSClara Rojas Seqüestrada em 23 de fevereiro de 2002, aos 38 anos. Clara era candidata à vice na chapa de Ingrid Betancourt, então senadora e candidata à presidência. Ambas foram capturadas quando viajavam para o sul do país. Na ocasião, as Farc disseram a Clara que poderia ir embora, mas ela decidiu acompanhar IngridEmanuel RojasFilho de Clara, tem 3 anos. Nasceu de um relacionamento da mãe, durante o cativeiro, com um guerrilheiro. Ninguém sabia de sua existência até que, em abril de 2006, o jornalista Jorge Enrique Botero, que passou um tempo visitando campos rebeldes, lançou um livro contando sua históriaConsuelo González de PerdomoEra representante do Departamento de Huila na Câmara dos Deputados quando foi seqüestrada, em 10 de setembro de 2001. Ela é um dos seis congressistas que ainda estão em poder da guerrilhaRUMORES Reféns: Segundo o jornal venezuelano ?El Nacional?, os três reféns estariam na propriedade do ex-ministro do Interior Ramón Rodriguez, no Estado de BarinasIngrid: O ?El Nacional? afirma que Ingrid Betancourt está na propriedade para receber assistência médica. Já o ?Últimas Notícias? diz que Ingrid está em CaracasArmamento: Fontes ligadas a setores de inteligência afirmam a compra de mil fuzis AK-47 e 1 milhão de cartuchos de munição foi negociada pela Venezuela com contrabandistas de armas. O carregamento teria sido destinado às Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.