Venezuela e Trinidad vão explorar petróleo na fronteira

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o primeiro-ministro de Trinidad e Tobago, Patrick Manning, assinaram na terça-feira, 20, em Caracas um inédito acordo para a exploração conjunta de jazidas de gás e petróleo nas fronteiras marítimas de seus países.O acordo de unificação de jazidas, segundo Chávez, "é algo muito importante", já que só em gás as duas nações contam "com uma das maiores reservas do planeta"."Um só dos blocos cujas reservas provadas foram unificadas tem oito ou dez trilhões de pés cúbicos de gás. É quase a metade de todas as reservas de gás dos Estados Unidos, e mais que as reservas de gás provadas do Brasil", festejou Chávez.Os dois países haviam assinado em 2003 um memorando de entendimento. Manning destacou que não existem antecedentes na região."O acordo de unificação das reservas é uma conquista significativa, é um acordo único no hemisfério e acho que por isso hoje se fez história", disse Chávez em seu discurso.Manning disse aos jornalistas que o acordo foi possível apesar de ele não compartilhar com Chávez a decisão de promover a Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba) contra a Área de Livre-Comércio das Américas (Alca) proposta pelos EUA. O seu país pretende ser a sede permanente do escritório da Alca.Chávez tinha afirmado em seu discurso que considerava Manning um dos líderes do Caribe "de maior prestígio" e que para seu país a integração "é uma obrigação histórica e moral".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.