Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Venezuela elege novo presidente no domingo

Embora Nicolas Maduro seja o favorito nas eleições presidenciais, previstas para este domingo (14) na Venezuela, sua grande vantagem inicial nas pesquisas de opinião diminuiu drasticamente na semana passada. A queda da popularidade de Maduro ocorre à medida que os venezuelanos enfrentam uma série de problemas - falta de energia crônica, inflação de dois dígitos e escassez de alimentos e medicamentos -, atribuídos por muitos à má gestão da economia e infraestrutura no país do ex-presidente Hugo Chávez.

AE, Agência Estado

13 de abril de 2013 | 20h13

Maduro, um antigo ativista sindical com laços estreitos com os líderes de Cuba, e que era Ministro de Relações Exteriores de Chávez, sinalizou estar se sentindo esgotado durante seu último discurso de campanha para centenas de milhares de fiéis de camisa vermelha, realizado na última quinta-feira. "Eu preciso do apoio de vocês. Este trabalho que Chávez me deixou é muito difícil", disse Maduro, que se tornou presidente interino depois que o líder venezuelano sucumbiu ao câncer no dia 5 de março.

O candidato da oposição, Henrique Capriles, de 40 anos, que perdeu para Chávez na eleição presidencial em outubro do ano passado, destacou em sua campanha o recorde de promessas não cumpridas do governo socialista, enquanto atravessou a Venezuela em buscas de votos. Seus discursos incluíram a leitura em voz alta de uma lista de projetos de estradas, pontes, e ferrovias inacabadas, antes de falar que os produtos estavam escassos nas prateleiras das lojas.

Aproximadamente 18,8 milhões de venezuelanos maiores de 18 anos estão aptos a votar neste domingo. Destes, 100.495 residem no exterior. Os centros de votação serão abertos ao público às 6 horas locais (7h30 em Brasília) e permanecerão em funcionamento até as 18 horas locais (19h30 em Brasília). A votação poderá se estender além do horário se os eleitores estiverem em fila no local de votação. As máquinas de votação são digitais. Cerca de 125 mil militares serão responsáveis pela segurança e pela logística do processo eleitoral.

A contagem de votos será totalmente automatizada. O primeiro boletim do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) será divulgado quando houver uma tendência irreversível. A expectativa é de que os resultados oficiais comecem a ser conhecidos por volta das 23h30 locais de domingo (1h da manhã de segunda-feira em Brasília). A lei venezuelana proíbe a divulgação de pesquisas de boca-de-urna antes do primeiro boletim oficial. O vencedor será eleito para um mandato de seis anos. Não há segundo turno. O mandato expira em 2019. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuelaeleiçõespresidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.