Venezuela elegerá Assembleia Nacional no dia 26/09

Um artifício legal deve evitar que a queda de popularidade do presidente venezuelano, Hugo Chávez, resulte na perda de seu apoio majoritário na Assembleia Nacional após a eleição legislativa do próximo dia 26. A lei eleitoral, aprovada em 2009, redesenhou as zonas eleitorais para garantir a maioria chavista.

AE, Agência Estado

29 de agosto de 2010 | 08h33

Durante os últimos cinco anos, a Assembleia Nacional dominada pelo chavismo aprovou todas as propostas encaminhadas pelo governo, de mudanças nos sistemas financeiro, educacional e eleitoral à reforma militar. Os governistas se aproveitaram da ausência da oposição no Legislativo, que boicotou as eleições de 2005 alegando falta de garantias eleitorais. Já na eleição deste ano, os opositores esperam conseguir ao menos um terço do Parlamento, suficiente para impedir a quase unanimidade.

Pesquisas mostraram na semana passada que a popularidade de Chávez caiu para 37%, bem abaixo dos 71% alcançados em 2005, quando foram realizadas as últimas eleições para o Parlamento. Os candidatos chavistas contam hoje com o apoio de 32% dos eleitores, contra 46% da oposição. Os números, porém, não garantem que a baixa aprovação do presidente resulte numa maioria opositora em setembro.

Para manter sua base de apoio, o chavismo manipulou o desenho dos distritos de modo que lhe favoreça - ainda que, globalmente, receba um número menor de votos. Distritos dominados pelo governo foram divididos. Ao mesmo tempo, circunscrições onde a oposição tinha pequena vantagem foram unificadas com regiões vizinhas chavistas. E distritos com maioria de votos opositores foram realinhados para reduzir o número de eleitos - numa região que elegeria dois opositores, apenas um vencerá. A justificativa para as mudanças é aproximar o eleitor de seu domicílio eleitoral. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.