Venezuela envia 15 mil soldados às fronteiras

Missão busca conter o tráfico de drogas e grupos armados nos limites com Colômbia, Brasil e Guiana

CARACAS, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2012 | 03h04

As Forças Armadas da Venezuela determinaram o deslocamento de 15 mil militares para as fronteiras do país com Colômbia, Brasil e Guiana para detectar a atuação de traficantes de drogas e grupos armados ilegais nas regiões. O mais recente passo da Operação Sentinela, lançada em 2009 pelo governo de Caracas, foi anunciado ontem pela agência estatal venezuelana AVN.

"Trabalhos de inteligência e patrulhamento estão sendo feitos para detectar possíveis instalações de processamento de droga", afirmou o general Henry Rangel, ministro da Defesa venezuelano. De acordo com ele, a época é favorável para esse tipo de monitoramento, pois atualmente seria o "ciclo de semeadura" das plantas de coca. O fato de o anúncio da ação antitráfico ter sido feito por Rangel chamou a atenção nos EUA, já que Washington afirma que o general está envolvido com o comércio de drogas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

Ao todo, 150 postos de controle foram levantados para a operação. Rangel afirmou ainda que 14 colombianos e 3 venezuelanos foram presos pela participação na morte de 2 integrantes do Exército da Venezuela, assassinados no fim de semana passado.

Retorno. O presidente Hugo Chávez voltou ontem à noite a Caracas, depois de se submeter a uma cirurgia em Cuba para a retirada de um novo tumor na região pélvica. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.