Venezuela, EUA e UE dominam reunião preparatória de Cúpula da CAN

A análise sobre a saída da Venezuela, a renovação das preferências tarifárias dos Estados Unidos e a negociação comercial com a União Européia foram os principais temas discutidos neste domingo em Quito por analistas da Comunidade Andina (CAN) que preparam os textos da Cúpula presidencial de terça-feira.Os vice-ministros de Relações Exteriores de Bolívia, Colômbia, Equador e Peru, com o apoio de analistas dos quatro países, se reuniram a portas fechadas na sede da Chancelaria equatoriana para definir os documentos que serão discutidos por seus governantes.Esses textos serão revisados na segunda-feira durante a XX Reunião do Conselho Ampliado de Ministros de Relações Exteriores da CAN, na qual os chanceleres dos quatro países fecharão os detalhes dos documentos que serão analisados na Cúpula presidencial.A situação da CAN após a saída "irrevogável" da Venezuela será, "sem dúvida", um dos principais temas da Cúpula, assegurou uma fonte que participou da reunião de vice-ministros.Além disso, a fonte mencionou que os andinos estudam uma posição conjunta para pedir aos EUA que renovem e prolonguem a vigência do acordo de preferências tarifárias (ATPDEA), que concedem à região em troca dos esforços na luta contra o narcotráfico. O acordo expira no fim do ano.A associação comercial com a UE foi outro tema analisado pelosvice-ministros, embora esses não sejam os únicos problemas e desafios que devem ser discutidos na reunião de Quito, acrescentou a fonte.Os governantes também discutirão a questão das tarifas, já que,com a saída da Venezuela, somente Colômbia e Equador mantêm a tarifaexterna comum da CAN, pois o Peru tem uma política tarifária livre,enquanto a Bolívia taxa seus produtos, bens e serviços em zero, 10%e 15%. Essas diferenças tarifárias poderiam, eventualmente, gerarproblemas para algum país."Há vários assuntos que devem ser discutidos, mas os principaissão Venezuela, o ATPDEA e a negociação estratégica com a UniãoEuropéia", acrescentou a fonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.