Reprodução|Twitter|@ljcisneros
Reprodução|Twitter|@ljcisneros

Venezuela impede entrada de jornalistas e fotógrafo que acompanhariam marcha da oposição

Profissionais peruanos da emissora mexicana Televisa e argentino da agência Associated Press foram retidos quanto chegavam ao país; parentes dizem que eles devem ser deportados

O Estado de S. Paulo

26 Outubro 2016 | 10h07

LIMA - As autoridades venezuelanas retiveram no aeroporto de Caracas três jornalistas peruanos da emissora mexicana Televisa e um fotógrafo argentino da agência Associated Press (AP) na madrugada desta quarta-feira, 26, de acordo com informações de uma fonte diplomática e de parentes dos jornalistas em Lima, no Peru. Eles devem ser deportados nas próximas horas.

Os detidos são Ricardo Burgos, Leonidas Chávez e Armando Muñoz, que tentavam entrar no país para exercer sua profissão. Por meio de mensagens enviadas em redes sociais a amigos e parentes, eles informaram que também se encontra com o detido com o grupo o fotógrafo argentino Rodrigo Abd, da AP, que mora na capital peruana.

"As autoridades venezuelanas estão muito rígidas quanto ao cumprimento da lei trabalhista e ao ingresso de jornalistas no país", afirmou à rádio peruana RPP o embaixador do Peru em Caracas, Mario López. "Estamos desenvolvendo gestões tanto a nível da embaixada quanto no Consulado para que possam autorizar finalmente a entrada (dos profissionais) na Venezuela", completou López.

Essa versão, no entanto, foi posta em cheque por um dos jornalistas em mensagem publicada em sua página no Facebook. "Incrível. (Fui) declarado inadmissível pela Venezuela e fomos expulsos deste país-irmão. Em muitas oportunidades senti nós na garganta antes tanta injustiça e, hoje, senti cair a guilhotina sobre meu pescoço", escreveu Leonidas Chávez 

O fotógrafo Rodrigo Abd é um reconhecido fotojornalista internacional e ganhador do prêmio Pulitzer em 2013, junto com uma equipe da AP, por uma série de reportagens sobre o conflito na Síria. "Aparentemente não estão deixando que jornalistas estrangeiros entrem na Venezuela em razão de toda a situação no país. Suponho que se sentiram ameaçados antes uma perspectiva diferente da que usam para conduzir o país", afirmou à imprensa peruana Paola Burgos, filha do jornalista Ricardo Burgos. "Eles estão na área de trânsito (do aeroporto). Supostamente vão ser expulsos até amanhã."

Ainda de acordo com o embaixador peruano, os jornalistas estão bem. "Quero sinalizar e ser enfático que não sofreram nenhuma agressão", afirmou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.