Miraflores Palace/Handout via REUTERS
Miraflores Palace/Handout via REUTERS

Venezuela inicia pré-venda da moeda virtual Petro

Venda de 38,4 milhões de petros prosseguirá até 19 de março; no dia seguinte, será realizada a oferta pública inicial de outros 44 milhões e o restante, 17,6 milhões, será reservado ao Estado

O Estado de S.Paulo

20 Fevereiro 2018 | 08h46

CARACAS - O governo da Venezuela iniciou na madrugada desta terça-feira, 20, a pré-venda do Petro, criptomoeda lançada pelo presidente Nicolás Maduro diante dos graves problemas de liquidez que levaram o país a ser declarado em moratória parcial.

+ Nos supermercados da Venezuela, o que Maduro barateia, some

"Damos início formal, de maneira próspera, à implementação de nosso criptoativo, o Petro, e seu processo de pré-venda", anunciou o vice-presidente venezuelano, Tareck El Aissami, pouco depois da meia-noite.

+ Maduro destinará 5 bilhões de barris de petróleo como lastro para sua criptomoeda

Suas palavras foram o ponto de partida para uma pré-venda privada de 38,4 milhões de petros, sobre uma emissão de 100 milhões, que prosseguirá até 19 de março. No dia seguinte, será realizada a oferta pública inicial de outros 44 milhões e o restante, 17,6 milhões, será reservado ao Estado.

O “White Paper” (“Livro Branco”) do Petro estabeleceu em US$ 60 o "preço de venda de referência" da moeda virtual, equivalente ao preço de um barril de petróleo venezuelano - cujas reservas respaldarão a moeda - em meados de janeiro.

No entanto, esclarece que esse valor estará "sujeito a mudanças de acordo com as flutuações do mercado de petróleo".

Maduro espera que o Petro abra "novas vias de financiamento" ante as sanções que Washington impôs à Venezuela, que proíbem a empresas e cidadãos americanos negociar títulos da dívida emitidos pelo país e a estatal de petróleo PDVSA.

Contudo, analistas consideram que as distorções da economia venezuelana, com elevado gasto público e hiperinflação - projeção de 13.000% pelo FMI para 2018 -, impedem as possibilidades de sucesso. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.