Venezuela irá cortar três zeros do bolívar para conter inflação

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, anunciou nesta sexta-feira, 16, que irá cortar três zeros das novas notas do bolívar para aumentar a percepção entre os venezuelanos de que o país tem uma moeda forte. Além disso, a alteração visa conter a galopante inflação do país, a mais alta da América Latina.A medida será colocada em prática em fevereiro do ano que vem.Mas especialistas disseram que a medida pode ter o efeito contrário, dando à população a impressão de que tem um maior poder de compra. Além disso, os comerciantes poderão arredondar os valores, e os consumidores acabarão pagando um pouco mais pelos bens de consumo.Atualmente são necessários mais de 4.000 bolívares para comprar um dólar no mercado paralelo. No oficial, o dólar está cotado a 2.150 bolívares."(O corte dos três zeros) vai nos dar uma maior eficiência nos sistemas de pagamento, consolidar a confiança na moeda e produzir efeitos psicológicos positivos nas pessoas", disse Chávez em seu programa de TV.No ano passado, a Venezuela começou a tirar as notas de 500 bolívares de circulação. Pacote antiinflaçãoO corte dos três zeros foi anunciado num pacote antiinflação que inclui a redução do imposto sobre mercadorias. Mas ele pretende lançar a nova moeda só daqui a um ano, no dia 4 de fevereiro, data do aniversário de dez anos de sua tentativa de golpe, em 1992.Para o ex-presidente do Banco Central Domingo Maza Zavala, o corte dos zeros será prejudicial. "Com o arredondamento é sempre o mesmo problema, ninguém nunca arredonda para baixo", disse ele à rádio Unión na manhã de sexta-feira.Chávez foi criticado pela imprensa e pela oposição pela inflação do ano passado, que chegou a 17%, e vem enfrentando dificuldades para segurar o preço dos alimentos, apesar de tentativas de tabelamento que causaram distorções e o sumiço de determinados produtos das prateleiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.