Venezuela lança seu primeiro satélite com ajuda chinesa

Hugo Chávez e Evo Morales assistiram juntos ao lançamento, que foi transmitido ao vivo na televisão venezuelana

Agência Estado e Dow Jones,

29 de outubro de 2008 | 17h16

A Venezuela lançou nesta quarta-feira, 29, seu primeiro satélite, a partir de um centro espacial na China. O lançamento do satélite Simón Bolívar, também conhecido como Venesat-1, foi transmitido ao vivo pela televisão estatal venezuelana e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e seu colega boliviano, Evo Morales, assistiram juntos ao evento. O Venesat-1 é o primeiro dos dois satélites que o governo venezuelano pretende colocar em órbita.A China desenvolveu e lançou o satélite a partir do centro de lançamento de satélites de Xinchang, localizado 64 quilômetros ao noroeste de Xinchang, disse o Ministério da Informação da Venezuela em comunicado. O governo Chávez gastou mais de US$ 400 milhões no projeto do satélite. "Agora o satélite está em órbita", disse Chávez logo após o lançamento, a partir do centro de operações em Ciudad Bolívar. Segundo ele, o Venesat-1 terá vida útil de 15 anos. "Em janeiro, o satélite estará ativo em vários projetos", disse o presidente, sem dar mais detalhes. O Venesat-1 deverá prover serviços de telefonia e transmissões de televisão da Venezuela a outras partes da América Latina. O país andino também informou que o lançamento do segundo satélite está previsto para 2013.Chávez manifestou o desejo de desenvolver um satélite em 2005 e recebeu ofertas da Rússia, França e Índia, antes de aceitar a oferta chinesa para desenvolver o aparelho. O líder esquerdista tem enfatizado freqüentemente a necessidade da Venezuela ter o próprio satélite e reduzir a dependência da tecnologia estrangeira.Como parte do acordo com os chineses, a Venezuela tomará o controle e irá operar o satélite com a empresa CA Nacional Telefonos de Venezuela (CANTV), a estatal de telecomunicações que Chávez nacionalizou em 2007.  

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelasatéliteChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.