Venezuela: Manuel Rosales se torna o principal candidato da oposição

O candidato a presidente da Venezuela Manuel Rosales se tornou nesta quarta-feira a escolha principal da oposição para enfrentar o presidente Hugo Chávez nas eleições de dezembro. A maioria dos oposicionistas desistiram de suas respectivas candidaturas."Serei o presidente de todos os venezuelanos, independente de suas diferenças", disse Rosales a uma platéia entusiasmada, se referindo às queixas populares de que Chávez polarizou a sociedade, dividindo a população entre seus apoiadores pobres e os ricos oponentes.Rosales disse que, se eleito, usará a riqueza do petróleo para ajudar os pobres e irá melhorar a educação e a saúde do país. "Trocaremos jatos de guerra por hospitais, tanques por escolas e universidades, mísseis por pré-escolas", disse.Antes de Rosales discursar, Julio Borges, um advogado conservador líder do partido "Justiça Primeiro", anunciou em público que ele e outros candidatos opositores decidiram apoiar Rosales, que é governador do Estado de Zulia. "Para todos que amam esse país, hoje é o dia de deixar ambições pessoais de lado e pensar sobre a unidade da Venezuela", disse Borges. "Senhor Manuel Rosales, conte com todos nós. Ofereço meu apoio, o apoio de meu partido e de minha geração a você."Na última sexta-feira, outro candidato da oposição, o editor de jornal Teodoro Petkoff, também desistiu em favor de apenas um candidato. Rosales informou que nove rivais oficialmente decidiram apoiá-lo. A desistência de nove candidatos estimulou o cancelamento de uma votação primária marcada para o domingo e abriu caminho para Rosales se tornar o principal concorrente do esquerdista Chávez, que foi eleito em 1998 e agora quer um histórico terceiro turno.Pesquisas eleitorais recentes mostram que Rosales está muito atrás de Chávez nas intenções de voto. O atual presidente tem o apoio da grande maioria dos venezuelanos.Porém, nem todos os candidatos oposicionistas desistiram do pleito. Benjamin Rausseo, um popular comediante, anunciou sua candidatura no último domingo, e enquanto as pesquisas de opinião ainda não mediram sua popularidade, analistas afirmam que ele poderá ser uma séria ameaça aos seus adversários. O comediante afirmou que poderá mais adiante desistir de sua candidatura caso algum candidato tenha uma proposta melhor para derrotar Chávez.Matéria ampliada às 18h48

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.