EFE
EFE

Venezuela militariza sistema elétrico

Caracas declara 'estado de emergência' no setor previsto para durar 90 dias

O Estado de S.Paulo,

23 de abril de 2013 | 15h41

CARACAS - O governo da Venezuela aplicou nesta terça-feira, 23, a militarização do sistema elétrico do país, manobra anunciada pelo presidente Nicolás Maduro em seu discurso de posse, na sexta-feira, 19. Simultaneamente, Caracas decretou "estado de emergência" no setor por 90 dias, com o objetivo de "estabilizar" a rede interna de abastecimento de energia. As medidas foram publicadas na Gazeta Oficial venezuelana.

"Vamos militarizar – essa é a palavra – todas essas instalações elétricas que, além disso, agora passam a ser zonas de segurança para se resguardar e evitar qualquer tipo de ação de sabotagem", afirmou o vice-presidente venezuelano, Jorge Arreaza.

Segundo Arreaza, nos últimos dias, as autoridades do país detiveram funcionários do setor – "alguns gerentes que foram substituídos e outros que foram investigados, uma pequena minoria" – por atos de sabotagem na rede elétrica.

O vice-presidente afirmou que "o estado de emergência do sistema e (do) serviço elétrico (...) é de grande importância". "É o marco que nos permite tomar medidas indispensáveis para estabilizar o sistema elétrico da Venezuela."

Durante a campanha para as eleições do dia 14, o presidente Nicolás Maduro afirmou em diversas ocasiões que a rede elétrica sofria sabotagens, responsabilizando a oposição pelos atos. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaNicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.