Venezuela não fornecerá mais petróleo a Cuba

A Venezuela, que fornecia cerca de 50.000 barris diários de petróleo a Cuba, não fornecerá mais o produto ao país governado por Fidel Castro. "Não vamos enviar nem mais um barril de petróleo a Cuba", anunciou o gerente de vendas da estatal Petroleos de Venezuela S. A. (PDVSA), Edgar Paredes, durante uma entrevista em Caracas com trabalhadores do setor. Os sindicatos dos petroleiros estavam desde a quinta-feira em greve por tempo indefinido contra o governo Hugo Chávez. O governo de Chávez mantinha, desde outubro de 2000, um acordo preferencial de petróleo com Cuba, fornecendo à ilha o óleo a preços subsidiados, no marco do Acordo Energético de Caracas, entre a Venezuela e vários países da América Central, América do Sul e Caribe. O anúncio se segue à luta interna que levou Chávez a demitir sete gerentes da petrolífera opostos à sua decisão de manter o acordo, acusando-os de "sabotagem" à principal empresa da Venezuela. Logo após a queda de Chávez nesta madrugada, o novo presidente interino venezuelano, o empresário Pedro Carmona, anunciou o retorno dos executivos da estatal a seus cargos e pediu a normalização operacional da PDVSA, que já havia sofrido queda em sua produção devido à greve.Leia o especial sobre a crise na Venezuela

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.