Venezuela não quer guerra com EUA, diz Chávez

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou hoje que seu país não quer uma guerra com os Estados Unidos, mas deve se preparar para qualquer eventualidade."Não queremos a guerra armada. Faremos tudo que estiver dentro dos princípios para evitá-la. Mas devemos estar preparados, pois é como diz o ditado: se você quer a paz deve se preparar para a guerra", disse Chávez em seu programa Alô Presidente!, transmitido todos os domingos em rede nacional de rádio e televisão.O presidente disse que "em breve" chegarão os 100 mil fuzis adquiridos da Rússia, mas que esse número "é pouco" porque a Venezuela precisa "equipar e treinar um milhão de homens e mulheres da reserva"."É difícil que eles venham invadir, mas devem saber que, se isso acontecer, não lutarão apenas contra os militares venezuelanos, vão lutar com o povo venezuelano e outros povos desta parte do mundo, que tenho certeza que se rebelariam contra o império", expressou o governante."Tenho fé de que evitaremos a guerra porque surgiu uma consciência na opinião pública mundial, e não vai ser fácil para o império enfrentar meio mundo. Já não é tão fácil invadir um país. Vejam o que acontece no Iraque", destacou Chávez.O presidente venezuelano disse também que embora "o império esteja em dificuldades, não deve ser subestimado. Mas também não devemos ter medo deles, porque o medo paralisa"."Não temos medo deles e isso nos torna livres", disse o presidente, antes de lembrar que conheceu outros que "não falam por medo e aceitam imposições".Na semana passada, as relações entre Venezuela e EUA entraram numa nova etapa de conflito, depois de a contra-espionagem venezuelana descobrir o vazamento de documentos secretos rumo aos EUA e expulsar o adido naval da embaixada desse país em Caracas. Washington respondeu com a expulsão de Jenny Figueredo, chefe de gabinete na embaixada venezuelana em Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.