Venezuela paga US$ 900 milhões pela Electricidad de Caracas

O governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, e a companhia americana AES, maior acionista da Electricidad de Caracas, assinaram nesta quinta-feira um memorando para a venda da empresa elétrica, por US$ 900 milhões de dólares. O acordo faz parte do plano de nacionalização anunciado em janeiro por Chávez, que inclui todo o setor elétrico nacional e também a principal telefônica do país, a CANTV.O memorando prevê a venda ao Estado venezuelano de 82,14% das ações de AES na empresa. O acordo foi assinado pelo ministro da Energia, Rafael Ramírez, e pelo presidente-executivo de AES, Paul Hanraham, em um inesperado ato oficial no palácio presidencial.Ramírez, também presidente da estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA), disse que "em dois dias úteis será assinada a compra" da Electricidad de Caracas. A transferência da empresa ao Estado deverá ser concretizada "antes de 30 de abril".O Estado pagará "um total de US$ 900 milhões" pela companhia elétrica. Do total, US$ 739,26 milhões correspondem a 82,14% do capital social, detidos pela AES, informou o ministro."É um acordo extraordinário, altamente benéfico" porque "respeita os interesses" de ambas as partes, afirmou o ministro. Ele prometeu "preservar os interesses" dos acionistas minoritários. Cerca de 100 mil venezuelanos têm 13% das ações da empresa. "A permanência dos 13% de acionistas minoritários é optativa. Podem permanecer ou vender suas ações ao Estado", explicou.O ministro garantiu também os direitos dos trabalhadores da empresa, assim como "os níveis de eficiência operacional e administrativa". O presidente-executivo da AES disse estar satisfeito com os acordos fechados até agora com o Estado.Hanraham opinou que o acordo desta quinta-feira é um sinal de tranqüilidade para os mercados. Ele afirmou que está certo de que "a qualidade do serviço será mantida durante a transição".As ações da Electricidad de Caracas subiram nesta quinta-feira na Bolsa de Caracas 3,72%, para 550 bolívares (US$ 0,25). Desde o anúncio da nacionalização da empresa, as ações haviam caído cerca de 30%, segundo os operadores locais. A americana AES assumiu o controle acionário da Electricidad de Caracas em abril de 2000, com uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) de cerca de US$ 1,6 bilhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.