Venezuela pede que continente auxilie processo de paz

Um dia depois de se reunir, em Brasília, com o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, o chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, fez um apelo para que a América do Sul "estenda sua mão e sua experiência para estimular um processo de paz" entre seu país e a Colômbia. O pedido foi feito em Buenos Aires, após reunião com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e o marido dela, Néstor Kirchner, secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), na residência oficial de Olivos, nesta terça-feira.

MARINA GUIMARÃES, Agência Estado

27 de julho de 2010 | 15h48

Em entrevista à imprensa, Maduro voltou a pedir uma retratação por parte do governo colombiano pelas denúncias junto à Organização dos Estados Americanos (OEA) de que o presidente venezuelano Hugo Chávez ampara 1.500 rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército de Libertação Nacional (ELN). O chanceler também mandou um recado ao presidente colombiano eleito, Juan Manuel dos Santos, que toma posse no dia 7. "Que o novo tipo de relação se baseie no respeito absoluto das instituições venezuelanas", disse Maduro.

Segundo ele, a solução para o conflito entre os dois países "é um plano de paz para a América do Sul", o qual seu governo pretende apresentar na reunião de chanceleres da Unasul, prevista para quinta-feira, em Quito. "Esperamos que seja o início da construção de uma nota etapa de paz no continente", disse Maduro sobre suas expectativas para a reunião dos ministros. "Nós sempre temos dito e sustentado que a solução para este assunto é buscar a paz. Os mecanismos, a metodologia, o plano têm que ser construídos na América do Sul."

O chanceler venezuelano também agradeceu a mediação do casal Kirchner em busca da conciliação entre os vizinhos. "Estamos muito agradecidos por esta atenção e sabemos da experiência de Néstor Kirchner como nosso secretário-geral da Unasul para encontrar uma solução pacífica a este conflito com a Colômbia", disse aos jornalistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.