Venezuela pode dar calote por causa da greve, diz FT

A Venezuela será forçada a dar o calote nas próximas semanas nos pagamentos aos detentores dos bônus de sua empresa petrolífera ou na sua dívida doméstica em poder de bancos privados, se o governo for incapaz de reestabelecer a produção petrolífera do país, afirmou hoje o jornal britânico Financial Times. O diário econômico salientou que a greve já dura cinco semanas entre os funcionários da Petróleos de Venezuela (PDVSA), que reduziu a produção diária de 3,1 milhões barris para cerca de 300 mil barris. A PDVSA tem uma dívida externa de cerca de US$ 4 bilhões e o próximo pagamento, de US 150 milhões, vencerá em fevereiro. Segundo o FT, a estatal poderia normalmente honrar a dívida utilizando recursos de US$ 600 milhões mantidos num fundo offshore, mas não está claro se essse dinheiro ainda continua disponível. A PDSVA já perdeu US$ 2 bilhões em faturamento irrecuperável por causa da greve, afetando assim a fonte responsável pela metade da arrecadação governamental. O FT afirmou que o atual aperto de liquidez fiscal poderia levar o governo a não pagar a sua dívida com bancos privados. Entretanto, analistas afirmam que não há risco imediato de que a Venezuela, que tem cerca de US$ 11 bilhões em reservas internacionais, venha a dar um calote na sua dívida externa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.