EFE/Cristian Hernández
EFE/Cristian Hernández

Venezuela pode ser despejada de consulado em Miami por não pagar aluguel desde setembro

Companhia proprietária, que já havia pressionado Caracas a pagar o que deve ou deixar o local, diz que a dívida está em cerca de US$ 142 mil

O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2018 | 11h19

WASHINGTON - O governo da Venezuela pode ser despejado de seu consulado em Miami, nos EUA, cuja reabertura foi anunciada na semana passada pelo presidente Nicolás Maduro, por não pagar o aluguel desde setembro.

+ Maduro apoia proposta de diferentes eleições no mesmo dia

+ Aliança opositora venezuelana decide não lançar candidato contra Maduro

O proprietário do imóvel apresentou a solicitação de despejo em um tribunal de Miami no dia 15, uma semana depois de pressionar Caracas a pagar a dívida ou deixar o local, segundo documentos judiciais obtidos na quinta-feira 22 pela imprensa local. A administração de Nicolás Maduro ainda não comentou a solicitação feita em Miami. 

+ Chavismo age para antecipar eleição legislativa diante de boicote opositor

A companhia proprietária, TWJ 1101 LLC, reivindica cerca de US$ 142 mil em aluguéis não pagos. Segundo os advogados da empresa, o governo venezuelano “se recusa” a cumprir algumas determinações. 

O ex-presidente Hugo Chávez ordenou o fechamento do consulado em Miami em janeiro de 2012, depois que as autoridades americanas expulsaram a cônsul Livia Acosta Noguera.

Apesar do fechamento, a Venezuela seguiu pagando o aluguel do imóvel, em um edifício de Brickell, distrito financeiro de Miami. O prédio foi propriedade do governo venezuelano entre 1983 e 2005, quando o vendeu por US$ 70 milhões.

No dia 14, quando já havia vencido o prazo dado pela TWJ para o governo pagar a dívida ou abandonar a propriedade, Maduro anunciou a reabertura do consulado para facilitar a inscrição e o voto nas eleições presidenciais do dia 22 de abril aos moradores da Flórida. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Venezuela [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.