REUTERS/Andres Martinez Casares
REUTERS/Andres Martinez Casares

Venezuela prende principal executivo de petróleo e outros 8 funcionários da PDVSA

Companhia culpou um pequeno grupo de funcionários e executivos pelas acusações de corrupção contra ela

O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 19h50

CARACAS - A Venezuela prendeu o chefe da petroleira estatal para a região ocidental e outros oito executivos da PDVSA, de acordo com um memorando interno da companhia e seis fontes da indústria petroleira do país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Não ficou imediatamente claro o motivo pelo qual Gustavo Malave e outros funcionários foram presos, embora uma série de investigações de corrupção estejam sendo realizadas na PDVSA e tenham envolvido outros funcionários.

As fontes disseram que Malave foi preso na segunda-feira no Estado de Zulia, tradicional região venezuelana de produção de petróleo próxima da Colômbia, no que seria uma das detenções de maior escalão de um executivo da PDVSA. A PDVSA, a procuradoria e Malave não responderam imediatamente a pedidos de comentários.

Separadamente, o novo procurador-geral da Venezuela, Tarek Saab, anunciou na quinta-feira estar investigando “espetaculares” superfaturamentos em uma dúzia de contratos na faixa petrolífera de Orinoco, do outro lado do país.

A reputação da PDVSA - sigla para Petróleos de Venezuela SA - tem sido devastada nos anos recentes por acusações de Corrupção envolvendo funcionários de alto escalão.

A companhia culpou um pequeno grupo de funcionários e executivos pelos problemas e prometeu uma guerra contra a corrupção.

No ano passado, o Congresso liderado pela oposição informou que US$ 11 bilhões foram perdidos na PDVSA entre 2004 e 2014, quando Rafael Ramirez estava no comando da companhia. Ele negou as acusações. / REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.