Venezuela quer extraditar golpista exilado na Colômbia

Promotores venezuelanos foram ao tribunal nesta segunda-feira para pedir que a Colômbia extradite o empresário exilado Pedro Carmona, que assumiu o poder durante um breve golpe contra o presidente Hugo Chávez, em 2002. A Promotoria apresentou um documento com suas acusações à corte venezuelana na tarde de segunda-feira, tentando indiciar Carmona por crimes que incluem rebelião civil. Segundo a promotora Luisa Ortega Diaz, foi feito um pedido de extradição. O pedido precisa da aprovação final do Tribunal de Justiça, um processo que pode levar um mês. Golpe relâmpago Rebeldes prenderam Chávez em 12 de abril de 2002 e alegaram que ele havia renunciado. Mais tarde, um governo interino liderado por Carmona enfureceu muitos venezuelanos ao descartar a Constituição e dissolver o Congresso. No dia seguinte, partidários de Chávez tomaram as ruas exigindo seu retorno. Generais leais ao presidente destacaram soldados para libertá-lo da prisão. Chávez retornou ao poder antes da madrugada de 14 de abril e autoridades venezuelanas prenderam Carmona. O empresário então pediu asilo político à embaixada colombiana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.