Venezuela quer ONU apurando libertação de Posada nos EUA

O governo da Venezuela disse nesta sexta-feira, 20, planeja pedir às Nações Unidas que investiguem o motivo do governo dos Estados Unidos falhou ao julgar ou extraditar o militante cubano Luis Posada Carriles, acusado de organizar a explosão de um avião cubano.A Venezuela ainda quer se unir com outros países para questionar as ações do governo americano em cortes internacionais depois da libertação de Posada na quinta-feira, disse o advogado venezuelano Jose Pertierra.Há dois anos, o governo do presidente Hugo Chávez fez um pedido de extradição do ex-agente acusado de vários atentados contra hotéis na ilha, além da explosão de um avião da Cubana de Aviación, com 73 mortes, em 1976."A Venezuela procura aproximar governos e pessoas deste hemisfério e ao redor do mundo para pedir que a ONU investigue como foi julgado este terrorista", afirmou Pertierra.O ministro de Relações Exteriores venezuelano, Nicolas Maduro, confirmou que o país já entrou em contato com alguns governantes da América do Sul. Crítica de CubaA decisão do tribunal de El Paso não surpreendeu o governo cubano, que denuncia há anos o que considera a proteção a Posada por parte da administração Bush. Para Havana, a política seria uma recompensa pelos serviços prestados à Agência Central de Inteligência (CIA).O presidente cubano, Fidel Castro, convalescente há quase nove meses e afastado do poder por causa da sua doença, acusou Bush de proteger Posada no seu último artigo publicado pelo jornal oficial Granma, na semana passada."O governo dos EUA e as suas instituições mais representativas decidiram de antemão a liberdade do monstro", afirmou Castro. Ele protestou contra a decisão de uma juíza de El Paso de conceder a liberdade condicional a Posada e permitir a sua saída da prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.