REUTERS/Manaure Quintero
REUTERS/Manaure Quintero

Venezuela realiza exercícios militares por ‘ameaça do Brasil’

Ao anunciar as manobras, Maduro acusou o País de abrigar terroristas que preparam ataques e incursões

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2020 | 20h18

CARACAS - As Forças Armadas venezuelanas iniciaram neste sábado, 15, dois dias de exercícios militares para se prepararem, segundo o presidente Nicolás Maduro, contra planos de agressão de Estados Unidos, Colômbia e Brasil.

Cerca de 2,4 milhões de militares e membros da Milícia - corpo de defesa civil - foram acionados em todo o país, disse o ministro da Defesa, general Vladimir Padrino, por meio do canal estatal VTV.

“Estamos colocando um escudo à pátria contra a agressão permanente em todas suas formas”, disse Padrino no Forte Tiuna, o principal complexo militar da Venezuela.

Imagens dos militares disparando canhões e conduzindo tanques de guerra em zonas despovoadas foram transmitidas pela TV.

O presidente socialista Nicolás Maduro justificou as manobras na quinta-feira 13 ao assegurar que no território brasileiro há “grupos terroristas (...) preparando ataques e incursões militares contra a Venezuela”.

“Temos o direito de nos preparar”, afirmou Maduro, que acusa os governos do brasileiro Jair Bolsonaro e do colombiano Iván Duque de estarem por trás do ataque a um quartel na fronteira com o Brasil em 22 de dezembro, no qual um soldado venezuelano foi morto. Tanto o Brasil quanto a Colômbia rejeitam as acusações. 

O líder opositor Juan Guaidó, que há um ano se proclamou presidente interino da Venezuela e foi reconhecido por mais de 50 países, qualificou neste sábado os exercícios de “propaganda” e subestimou a capacidade operativa das Forças Armadas.

“É um exercício de propaganda que a ditadura está fazendo hoje. O resultado operacional é muito baixo”, disse Guaidó em entrevista coletiva.

Maduro também disse que a “Operação Escudo Bolivariano 2020” tem como objetivo “a defesa das cidades frente às agressões” do presidente dos EUA, Donald Trump.

“Ninguém arrasará a Venezuela”, afirmou Padrino, em referência à ameaça de Trump, feita no dia 4 quando recebeu Guaidó, de que arrasará a “tirania” de Maduro. / AFP

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.