Venezuela rebate críticas e ataca mídias privadas do país

O ministro das Comunicações da Venezuela, Andrés Izarra, minimizou hoje as críticas feitas pela Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) sobre a situação da liberdade de expressão no país. Izarra acusou ainda os meios privados locais de serem os "maiores agressores" desse direito. Em uma entrevista à estatal Venezolana de Televisión, Izarra qualificou as acusações da SIP como "infundadas" e disse que "a realidade os desmente". "Os maiores agressores da liberdade de expressão são esses meios privados que aparecem denunciando a Venezuela na SIP."Ontem, editores venezuelanos se mostraram preocupados com a situação da liberdade de imprensa no país, durante reunião da SIP em Madri, na Espanha. Segundo Izarra, existe a possibilidade de que "o povo revogue essas empresas midiáticas", e essa medida pode ser auxiliada pelo governo, relatou a Agencia Bolivariana de Noticias.Durante o encerramento de sua assembléia, a SIP demonstrou preocupação por causa do aumento da violência contra os jornalistas na Bolívia, no Equador, no México e na Venezuela. O presidente venezuelano, Hugo Chávez, mantém uma relação tensa com a mídia, durante seus nove anos no poder. O governo sustenta que no país há plena liberdade de expressão e acusa a mídia local e a SIP de "cinismo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.