EFE/Miguel Gutiérrez
EFE/Miguel Gutiérrez

Venezuela receberá 2 mil médicos cubanos que deixaram o Brasil, diz Maduro

O fascismo brasileiro encerrou o projeto de saúde e os 2 mil médicos estão vindo para a Venezuela, disse o presidente

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2019 | 12h54

CARACAS - A Venezuela irá receber 2 mil médicos cubanos que deixaram o Brasil após disputa entre a ilha comunista e o presidente Jair Bolsonaro.

Bolsonaro disse que cerca de 11 mil médicos estavam sendo submetidos a “trabalho escravo” e exigiu que o governo cubano, que fica com 75% de seus salários, permitisse que os funcionários recebessem o valor integral e fossem acompanhados por suas famílias no Brasil.

Cuba se recusou a cumprir as exigências e retirou os médicos do Brasil.

“Na próxima semana, vamos ter um evento especial que celebra a chegada de 2 mil novos médicos de família que Cuba vai nos enviar. Eles estão vindo do Brasil”, disse o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em discurso televisionado.

“O fascismo brasileiro encerrou o projeto de saúde e os 2 mil médicos estão vindo para a Venezuela”, disse.

Clínicas administradas por médicos cubanos foram um programa marcante do ex-líder socialista venezuelano Hugo Chávez, que desfrutou de amplos recursos de petróleo durante seus 14 anos no comando da Venezuela, encerrados em 2013 por um câncer. A Venezuela pagava pelos serviços médicos com remessas de petróleo.

Maduro, que tem vivido um colapso da antes crescente economia da Venezuela, tem enfrentado queixas de decadência do sistema de saúde do país e de abandono das unidades antes administradas por médicos cubanos. O presidente venezuelano não deu detalhes sobre como o país pagará pelos serviços.  / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.