Juan Calero / Reuters
Juan Calero / Reuters

Venezuela registra tumulto e saques a comércios

Moradores de Cumanacoa passam fome, segundo opositores do regime do chavismo; Maduro prometeu controlar preços para evitar inflação

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 09h10

Saques a comércios da cidade de Cumanacoa, no norte da Venezuela, terminaram em violência nesta quarta-feira, 22. Segundo o gabinete do autoproclamado presidente Juan Guaidó, ao menos sete pessoas ficaram feridas no tumulto. Uma delas foi baleada, segundo ele.

Segundo o deputado Robert Alcalá, aliado de Guaidó, os saques começaram depois que comerciantes aumentaram os preços durante a manhã. O parlamentar ouviu relatos de que os moradores da cidade passam fome.

O Centro de Comunicação da Assembleia Nacional - parlamento dominado pela oposição e  presidido por Guaidó - também afirmou que a crise se agravou com a pandemia de covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Ainda em março, o regime de Nicolás Maduro impôs quarentena para toda a Venezuela para evitar o espalhamento da covid-19. Levantamento da Universidade Johns Hopkins desta quarta mostra 288 casos no país e 10 mortes pela doença.

Cumanacoa vem passando por manifestações contra a falta de alimentos e de combustíveis. O aumento nos preços por comerciantes revoltou ainda mais a população da cidade onde vivem mais de 50 mil pessoas.

Imagens divulgadas pela emissora TVV Notícias, que transmite conteúdo venezuelano aos Estados Unidos, mostram cenas de correria e tumulto em Cumanacoa.

Em mensagem publicada no Twitter, Guaidó culpou o regime de Nicolás Maduro pela crise e disse que os  chavistas "subestimaram o povo, crendo que a repressão e o medo podem conter o inevitável". "Um governo de emergência nacional sem os usurpadores é urgente", escreveu Guaidó.

Guaidó vem pedindo um governo de emergência desde março, quando os Estados Unidos propuseram que ele e Maduro se afastassem do poder e permitissem novas eleições presidenciais na Venezuela. O chefe do regime chavista, porém, negou a proposta, que chamou de "aberração".

Volta do controle de preços

O presidente venezuelano Nicolás Maduro alertou na quarta-feira que controles rígidos de preços dos bens poderiam retornar, com o surto de coronavírus e uma aguda falta de gasolina que fez a inflação acelerar.

O governo chavista no ano passado relaxou a aplicação de controles de preços, vigentes há quase duas décadas, permitir ao setor privado desempenhar um papel maior na importação e venda de mercadorias em face das sanções dos EUA destinadas a derrubar Maduro, acusado de corrupção e violações dos direitos humanos.

Mas nas últimas semanas, os preços começaram a subir, em parte devido à escassez de gasolina, resultado de anos de falta de manutenção e investimento nas refinarias da empresa, e mais recentemente devido às sanções, que complicaram o transporte de produtos.

“Eu dei instruções precisas para lidar com a especulação, os setores da economia que não desejam cooperar com o país”, disse Maduro em um discurso na televisão estatal. “Todos os mecanismos para regular e monitorar a produção, custos e os preços estão ativados”.

A Venezuela está no sexto ano de uma hiperinflação, que os economistas atribuem à desenfreada impressão de dinheiro para cobrir déficits fiscais e intervenções estatais pesadas na economia.

Maduro frequentemente culpa as sanções dos EUA e uma suposta sabotagem da oposição pelos problemas do país. Os passos de Maduro em direção à liberalização da política econômica no ano passado não mudaram a economia.

Segundo a Assembleia Nacional, órgão legislativo controlado pela oposição que teve o mandato anulado por Maduro, a inflação interanual chega a 3,365%. O governo não publica regularmente indicadores econômicos.

O custo de um quilo de carne em Caracas aumentou 72% nos últimos 30 dias, segundo os cálculos da Reuters./ Reuters e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.