IARA MORSELLI - ESTADÃO
IARA MORSELLI - ESTADÃO

Venezuela rejeita nome de Jobim e TSE não observará eleições

O nome de Jobim foi aprovado pela presidente da República, Dilma Rousseff, pelo Itamaraty e pelos membros da Unasul

Gustavo Aguiar - Brasília , O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2015 | 15h50

Autoridades venezuelanas negaram a indicação brasileira do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de que o ex-ministro da Defesa e ex-presidente do tribunal Nelson Jobim acompanhe e observe as eleições parlamentares da Venezuela marcadas para 6 de dezembro. Por essa razão, o tribunal desistiu de particpar da missão da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) durante o processo eleitoral no país vizinho.  

 

O nome de Jobim foi aprovado pela presidente da República, Dilma Rousseff, pelo Itamaraty e pelos membros da Unasul. No entanto, de acordo com o tribunal, o órgão venezuelano responsável por aceitar a indicação demorou a pronunciar-se sobre ele. A demora o impediu de acompanhar a auditoria do sistema eletrônico de votação na Venezuela, o que invibializa uma observação adequada.

  

O TSE disse "que procurou contribuir para que a missão fosse regida por acordo (entre a Unasul e o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela) que a permitisse observar as diferentes fases do processo eleitoral" para garantir equidade na disputa, imparcialidade e abrangência. Segundo o tribunal, "embora o candidato brasileiro tenha angariado amplo apoio entre os Estados-membros, foi preterido na escolha final para a chefia da missão (na Venezuela) por suposto veto das autoridades venezuelanas." 


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.