Venezuela revoga credenciais de observadores internacionais

Presidente do Conselho eleitoral, Tibisay Lucena, afrma que houve violação de regras eleitorais, mas não citou nomes de observadores; ex-presidente da Colômbia, Panamá, Uruguai e Costa Rica estão na Venezuela são convidados da oposição para acompanhar eleições

Lucas Hirata, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2015 | 21h23

Após suspender, neste domingo, 6, a credencial de observador internacional do ex-presidentes da Bolívia, Jorge Quiroga por violar regras eleitorais, a presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Tibisay Lucena, também revogou as credenciais de outros observadores.

Embora não tenha dito mais nomes, Lucena disse que indicou que outros observadores internacionais também tiveram as credenciais suspensas. Andrés Pastrana, ex-presidente da Colômbia, viajou para Venezuela na última quinta-feira com os ex-presidentes da Bolívia, Jorge Quiroga; do Panamá, Mireya Moscoso; do Uruguai, Luis Alberto Lacalle; e da Costa Rica, Laura Chinchilla e Miguel Angel Rodriguez. Eles são membros da Iniciativa Democrática de Espanha e as Américas (IDEA) para acompanhar a oposição nas eleições parlamentares deste domingo.

Segundo informações divulgadas na mídia local, Lucena afirmou que a decisão sobre QUiroga foi tomada pois o ex-presidente boliviano teria feito comentários sobre os comícios venezuelanos. Ele estava na Venezuela como convidado pela Mesa de Unidade Democrática (MUD) para os comícios legislativos. A presidente da CNE também ressaltou que não são permitidos que os acompanhantes internacionais façam declarações sobre o desenvolvimento das eleições parlamentares.

"Aos agentes políticos, pedimos calma e paciência pois as pessoas ainda estão votando. Aos meios de comunicações, avisamos que não vamos permitir a transmissão de imagens que podem trazer alguma distorção no bom tempo que tivemos até agora. Devem abster-se contribuirão para esse tipo de opiniões são dadas", disse ela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.