REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Venezuela tem matéria-prima para fabricar medicamentos só até o fim de abril

Segundo Câmara da Indústria Farmacêutica, governo precisa liquidar US$ 657 milhões a fornecedores internacionais para normalizar situação; remédios básicos estão em falta

O Estado de S. Paulo

27 Abril 2016 | 10h39

CARACAS - Na Venezuela, é cada vez mais difícil conseguir tratamento em razão da escassez de medicamentos, que a oposição define como "crise humanitária" e o governo atribui a uma "guerra econômica".

Diagnosticado com a doença de Crohn - o sistema imunológico ataca o aparelho intestinal - Luis Rivas não sai de casa há dez meses porque teme supurar os abscessos em seu abdômen. Para o tratamento de Rivas faltam iodo, gaze, água oxigenada ou álcool para limpar as fístulas.

"O mais difícil é o adesivo, não há em nenhuma farmácia", contou o técnico de informática de 32 anos, presidente da Associação Venezuelana de Doença Inflamatória Intestinal.

A maioria opositora na Assembleia Nacional aprovou uma "lei especial para atender a crise humanitária de saúde", mas o presidente Nicolás Maduro a criticou por considerá-la parte de uma estratégia para desprestigiar e desestabilizar seu governo.

No meio da disputa entre os dois grupos políticos, pacientes e parentes, médicos e farmacêuticos lidam com a falta de remédios e insumos médicos e cirúrgicos, agravada pela queda do preço do petróleo, que fornece 96% das divisas com as quais o país importa estes produtos, além de alimentos e outros itens básicos.

Analgésicos, antibióticos, anticoncepcionais e hipertensivos somem das prateleiras, com um índice de desabastecimento de 80% para medicamentos essenciais, segundo uma coalizão de ONGs chamada Codevida, que convoca protestos com o slogan: "A saúde não é um favor, é um direito".

O governo anunciou recentemente ter distribuído 18,7 milhões de medicamentos e assinado um convênio de importação com Cuba, mas associações civis afirmam que é insuficiente.

A ministra de Saúde, Luisana Melo, atribui o desabastecimento a um excesso de consumo e critica as receitas dos médicos. "Não necessariamente você tem que prescrever o que a indústria médico-farmacêutica lançou esta manhã ou há dois dias", afirmou durante um evento.

Segundo o ministro da Indústria e Comércio, Miguel Pérez Abad, o governo elaborou um "mapa farmacêutico" e determinou que "para sustentar este setor" a Venezuela precisa de US$ 1,2 bilhão. "Vínhamos consumindo US$ 3,6 bilhões", disse Abad.

A Câmara da Indústria Farmacêutica alertou que os insumos para fabricar remédios se esgotarão em abril, a menos que o governo liquide os US$ 657 milhões que deve a fornecedores internacionais.

O deputado opositor José Manuel Olivares, oncologista e especialista em medicina nuclear, informou que o governo não respondeu ao pedido da Assembleia para que divulgue a lista de empresas que receberam dólar a uma taxa preferencial para importar medicamentos.

Risco de fraude. Embora o seguro social subsidie remédios de alto custo, o presidente da Federação Farmacêutica da Venezuela, Freddy Ceballos, afirma que 75% destes medicamentos estão em falta.

Ariel, de 7 anos, espera há dois meses por uma válvula que custa 43 salários mínimos para ser operada de um tumor cerebral. "Não existe em lugar nenhum. Estou desesperada porque minha filha sente dores", contou a mãe da garota, Rosalía Hernández.

Outras três crianças que dividem o quarto com Ariel enfrentam a mesma situação. "Também não há luvas, nem cateter, nem bolsas para as drenagens", lamentou.

Das 50 ampolas que requerem diariamente como "medicamentos de suporte" depois da quimioterapia no Hospital Infantil J.M de los Ríos, em Caracas, há apenas oito, disse Augusto Pereira, chefe do serviço de Oncologia.

Com a hashtag #ServicioPúblico, circulam mensagens nas redes sociais e em televisores que detalham os medicamentos, doses e números de contatos de pacientes que apelam à solidariedade quando esgotam a peregrinação por farmácias. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.