Venezuela terá leilão para venda de dólar

O governo da Venezuela anunciou ontem que venderá dólares por meio de um leilão público para empresas privadas, principalmente importadoras de alimentos e remédios. A medida tem como objetivo aliviar a escassez da moeda americano no mercado venezuelano.

CARACAS, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2013 | 02h04

O leilão, que será supervisionado pela Comissão de Administração de Divisas do Banco Central da Venezuela (BCV), partirá da cotação oficial do bolívar em relação à moeda americana (6,30 bolívares por dólar). O comprador será quem, por meio de oferta secreta, oferecer a cotação mais alta. O modelo foi criado pelo economista canadense William Vickrey, ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 1996. Em sua homenagem, o leilão foi batizado de Vickrey Modificado.

Segundo as autoridades venezuelanas, os dólares não serão repassados diretamente. As empresas que recorrerem ao mecanismo só poderão obtê-los por meio de cartas de crédito obtidas nos bancos venezuelanos. O tempo que esse processo levará, segundo o presidente do BCV, Nelson Merentes, deve variar. "Depende do produto (que será importado). Há bens que são trazidos mais rapidamente outros mais lentamente", disse.

O novo mecanismo de venda de dólares substitui um sistema anterior que permitia que as empresas comprassem a moeda americana por meio da negociação de títulos da dívida pública venezuelana. A eliminação do sistema, batizado de Sitme, foi acompanhada de uma desvalorização do bolívar em relação à moeda americana de 4,30 por dólar para 6,30 por dólar.

Afetado pelo aumento da dívida pública no ano da última reeleição do presidente Hugo Chávez, morto dia 5, o governo decidiu desvalorizar para aumentar a receita com a exportação de petróleo. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.