REUTERS/Leonardo Fernandez Viloria
REUTERS/Leonardo Fernandez Viloria

Venezuela terminará 2021 como o país mais pobre da América Latina

Venezuelanos assumem lugar do Haiti, de acordo com projeções do FMI; nos últimos 13 anos, governo fez três reconversões da moeda e eliminou 14 zeros do bolívar

Fernanda Simas, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2021 | 05h00

O Haiti sempre foi o país mais pobre da América Latina. Devastado por terremotos e imerso em crises políticas, o país se acostumou com o poder do crime organizado e com o colapso econômico permanente, uma fábrica de refugiados. Mas, quando o ano acabar, o primo mais pobre dos latino-americanos será a Venezuela. Segundo projeções do FMI, o país de 28 milhões de habitantes, com uma das maiores reservas petrolíferas do mundo, terminará o ano com a menor renda per capita da região: US$ 1.627 – atrás do Haiti, com US$ 1.690. Dez anos atrás, a renda per capita do país era de US$ 12,1 mil. 

Venezuelanos e analistas econômicos não veem a notícia com surpresa. Para Erik de Bufalo, professor da Universidade Simón Bolívar, a posição da Venezuela é reflexo da política econômica chavista. “Para um país que já teve a terceira maior economia da região, essa situação é lamentável. Mas não é uma surpresa, porque o modelo de exploração chavista tem levado a isso”. Em sete anos, o PIB do país caiu 81,8%.

Alan Zamayoa, analista de risco da Control Risks para América Central e Caribe, surpreendeu-se com o fato de o Haiti sair da última posição. “Aqui no Haiti não tivemos um crescimento econômico significativo em três anos. Antes da pandemia o Haiti já não tinha uma boa performance econômica. Agora, a insegurança também impacta na economia.

“Devemos avaliar a performance em relação às oportunidades de cada país. A Venezuela é um dos maiores produtores de petróleo, por isso é um desastre muito maior, mesmo que o Haiti seja um pouco mais pobre. A situação econômica e social é tão dramática que se a economia contraiu um pouco mais ou um pouco menos do que o Haiti, continua sendo um ponto muito fora da curva”, afirma o economista chefe para a América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos.

Colapso da economia venezuelana

Para quem vive na Venezuela, o cotidiano evidencia o que o FMI escancara em números. De acordo com um estudo recente elaborado por universidades venezuelanas, 76,6% da população vive com menos de US$ 1,2 dólar ao dia e 8 milhões de pessoas estão desempregadas

“A indústria nacional está muito enfraquecida, não produzimos nada. Há muita insegurança com relação às empresas estatais, por exemplo. A projeção do FMI prova que a economia não se recuperou. Continuamos sem produzir bens e serviços e com uma hiperinflação que aumenta os preços a cada dia”, afirma o radialista Nehomar Hernández, de 33 anos. 

A Venezuela vive em hiperinflação há 47 meses, quase quatro anos, o maior colapso econômico de todos os tempos de um país que não está em guerra. No final de 2022, segundo o FMI, o país terá tido 79% de contração da economia desde 2013, mais que o dobro da contração da Grande Depressão nos EUA (28%). 

Durante seu governo, o presidente Nicolás Maduro realizou três reconversões da moeda e eliminou 14 zeros do bolívar nos últimos 13 anos. Recentemente, para tentar conter a crise, o chavista diminuiu os controles sobre as importações. “Quem chega a Caracas hoje acredita que nossa situação econômica melhorou. Um dos motivos é o fenômeno das ‘bodegones’, lojas de produtos importados onde se vende tudo o que você vê nas prateleiras de Miami. Maduro apostou em gerar uma ilusão de bem-estar econômico, mas isso chega a 10% ou 20% da população. O restante vive com US$ 1 por dia”, diz Hernández. 

Dolarização da economia

Nas ruas, o dinheiro que mais circula é o dólar. Nas ‘bodegones’ a situação é a mesma. E o acesso ao dólar se massificou entre a maior parte da população, justamente em razão da desvalorização da moeda local. 

“O bolívar está desvalorizado. É preciso muitas notas para pagar uma coisa simples. Agora, o acesso ao dólar está disseminado porque trabalhadores informais e independentes, desde mecânicos até médicos, cobram os serviços em dólar. Em geral, os serviços valem o mesmo que fora do país”, afirma Hernández.

De Bufalo explica que essa dolarização informal da economia venezuelana foi uma opção do chavismo. “Agora, o governo substitui o que se produzia por importações controladas pelo Estado. Esse modelo exclui a base da economia, as instituições e até a indústria petrolífera sai afetada.”

Hernández se considera privilegiado por integrar uma classe média alta, com casa própria e um carro para circular por Caracas. Trabalhando para uma rádio espanhola há três anos, ele recebe seu salário de fora do país e isso permite que ele “viva em certo conforto”. “Mas isso não é comum. Eu sei que estou entre os 20% da população, no máximo, e sei como precisamos de um país melhor”, afirma. 

Três perguntas para: Alberto Ramos, economista chefe para a América Latina do Goldman Sachs

Há algum sinal de melhora econômica na Venezuela?

Daí vem o desespero. Se a gente tivesse falando de um país que passou por um desastre natural, teve um governo ruim, mas tivesse esperança. Não é o que ocorre. Vemos um país muito polarizado política e socialmente, com um sistema político engessado, que não vislumbra um retorno à democracia. É por isso que o país tem a economia se contraindo há sete anos. Em qualquer lugar com uma eleição em condições normais, o povo já teria mudado o governo. 

O que levou a essa situação?

O que acontece é reflexo da incompetência dos regimes que antecederam (Hugo) Chávez. Chávez foi uma escolha pela mudança, que acabou se tornando uma mudança péssima. Chávez assumiu o governo, se fechou e se perpetuou no poder. Hoje o que vemos é um sistema assistencialista de baixíssima qualidade, com uma população muito empobrecida e um sistema eleitoral que não abre caminho para outra opção. O regime não vai cair porque está há muitos anos no poder, basta olhar para Cuba, Coreia do Norte, esses regimes se prolongam, duram. Mas as condições de vida vão mudando e o que posso dizer é que nada dura pra sempre, em algum momento alguma saída será encontrada para esse processo.

E quando isso ocorrer, como recuperar o país?

A Venezuela vai ter um grande problema ainda. Se houver uma mudança de regime em curto prazo, será um país difícil de governar nos próximos 20 anos. O chavismo continuará presente como filosofia ideológica, desestabilizando o sistema político. Todo marco regulatório ilegal terá que ser reesrito, vai ser um processo de reconstruir um país inteiro. Basta olhar para a Argentina e o efeito nefasto do peronismo. Pode ocorrer uma transição política, mas as ideias não acabam.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.