Venezuela veta consumo de energia em placa publicitária

O governo venezuelano proibiu hoje o uso de eletricidade em placas e avisos publicitários luminosos, como parte do plano de emergência decretado nesta semana pelo Executivo para enfrentar a crise energética.

AE-AP, Agencia Estado

10 de fevereiro de 2010 | 19h27

O Ministério de Energia Elétrica decretou hoje uma resolução pela qual se proíbe o uso de eletricidade nos "sistemas de publicidade contidos ou promovidos em placas e avisos publicitários luminosos", de acordo com o Diário Oficial.

A resolução também proíbe o uso de energia nos avisos e placas localizados em vias públicas, mas excetuou as farmácias, centros de saúde e as instalações de segurança, que deverão usar lâmpadas econômicas.

O governo informou que as novas proibições permanecerão vigentes "até que se supere a situação de emergência" e que o não-cumprimento da regulação pode acarretar no "corte do serviço elétrico de forma indefinida".

No início da semana, o presidente Hugo Chávez decretou estado de emergência elétrica no país para agilizar a aquisição de novos equipamentos, em meio à crise gerada pela seca na represa de Guri, a maior geradora de eletricidade do país, e as deficiências do sistema termoelétrico.

Embora o governo insista que a crise é consequência do fenômeno climático El Niño, alguns analistas afirmam que as deficiências na geração são consequência da falta de planejamento e o "esbanjamento" dos investimentos públicos que deveriam ir para essa área.

Chávez apresentou na segunda-feira um plano de economia de energia para obrigar os "altos consumidores residenciais" a reduzirem o consumo em no mínimo 10% por mês, caso contrário terão um aumento de 75% no valor de suas contas mensais.

O presidente disse que se "os altos consumidores residenciais" aumentarem em 10% ou mais o consumo, receberão um aumento de 100% no valor da conta e que se a elevação for de 20%, a multa será de 200%.

No caso das indústrias e estabelecimentos comerciais foi fixada uma redução de 20% do consumo, que deverá ser aplicado em duas partes: 10% no primeiro mês e os 10% restantes no segundo mês.

Chávez advertiu que os estabelecimentos comerciais e industriais que não reduzirem seus consumos sofrerão uma "suspensão do serviço" por 24 horas e que os reincidentes passarão por um novo corte de 48 horas ou a paralisação do serviço por tempo indeterminado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.