REUTERS/William Urdaneta
REUTERS/William Urdaneta

Venezuelanos viajam a cidade na fronteira com o Brasil em busca de gêneros básicos

Muitos, como José Lara, fazem uma viagem de 36 horas para chegar a Pacaraima e comprar mantimentos

O Estado de S.Paulo

11 Agosto 2016 | 05h00

PACARAIMA, RORAIMA  - Funcionário do governo da Venezuela, José Lara usou alguns dias de férias este mês para fazer uma longa viagem de ônibus pelos planaltos verdejantes e as savanas extensas do sul de seu país – mas a jornada era tudo, menos um passeio.

Foi uma corrida às compras de 36 horas. Lara pegou um ônibus noturno e depois uma picape para atravessar a fronteira com o vizinho Brasil para adquirir gêneros básicos que se tornaram escassos na economia em crise da Venezuela.

"Os trabalhadores nem podem mais aproveitar as férias. Olhe onde estou! Comprando comida para meus filhos", disse Lara, de 40 anos, que se preparava para colocar pacotes de 30 quilos de arroz e farinha em um ônibus para terminar a jornada, que leva quase 36 horas.

Os venezuelanos que tentam driblar a escassez estão indo em grandes levas à remota Pacaraima, cidade do nordeste do Estado de Roraima, em busca de itens básicos que são proibitivamente caros em sua nação ou só estão disponíveis para quem enfrenta horas de filas.

Os consumidores frequentam Pacaraima há meses, sobretudo aqueles vindos da cidade industrial de Puerto Ordaz – mesmo neste caso uma viagem de 12 horas de ônibus –, mas ultimamente também têm vindo de regiões ainda mais afastadas do território venezuelano.

Os venezuelanos passam horas nas filas dos supermercados, e muitos se queixam cada vez mais por não conseguirem alimento suficiente para fazer três refeições por dia. / REUTERS

 

Mais conteúdo sobre:
PACARAIMA RORAIMA Venezuela Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.