Venizelos reúne-se com líder do Esquerda Democrática

Os dois partidos favoráveis ao programa de resgate oferecido à Grécia - Nova Democracia e Pasok - estão dando continuidade aos esforços para garantir o apoio de mais um partido para formar um governo de coalizão que tenha maioria confortável no Parlamento. Assim, o novo governo poderá progredir rapidamente com as reformas necessárias no país e, ao mesmo tempo, tentar relaxar os termos do socorro de 173 bilhões de euros.

AE, Agência Estado

19 de junho de 2012 | 09h02

O líder do socialista Pasok, Evangelos Venizelos, iniciou as negociações do dia com uma reunião com o líder do pequeno partido Esquerda Democrática, Fotis Kouvelis, e pediu que uma equipe interpartidária seja nomeada para renegociar os termos do socorro ao país, independentemente de quais partidos participarão do governo. "Estou otimista depois da reunião com Kouvelis; nossas visões convergem grandemente e agora o que é necessário para nós é acelerar os procedimentos", disse Venizelos.

Embora o Nova Democracia tenha obtido a maioria dos votos nas eleições de domingo, o partido não conseguiu assentos suficientes no Parlamento para governar sozinho e precisa de um parceiro de coalizão. O Pasok ficou em terceiro lugar na votação e, combinados, os dois partidos já têm 162 dos 300 assentos no Parlamento.

Mas, diante da forte oposição do esquerdista Syriza, que é contrário às medidas de austeridade exigida pelo resgate grego e ficou em segundo lugar nas eleições, Venizelos e Antonis Samaras, líder do Nova Democracia, estão tentando trazer outro partido para a coalizão, para ampliar a maioria na Casa. Um possível candidato é o Esquerda Democrática, que aceita o acordo internacional mas quer um relaxamento das medidas de austeridade.

Kouvelis afirmou que vai esperar uma resposta de Samaras para sua proposta antes de decidir se participará da coalizão de governo. "Estou esperando uma posição muito específica sobre questões políticas que nós discutimos. Questões políticas são o fator decisivo na formação de um governo estável e eficiente", declarou. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.