Verdadeira origem da nora de Bin Laden é árabe muçulmana

O ´Alarabiya.net´ afirma que Zeina é da linhagem da família governante do Kuwait

Efe

14 Julho 2007 | 11h58

A nora de Osama bin Laden que ficou famosa esta semana por sua suposta origem britânica, é, na verdade, árabe e muçulmana de nascimento, revela neste sábado, 14, o jornal egípcio Daily Star.A publicação reproduz uma entrevista do site Alarabiya.net na qual a mulher se identifica como Zeina ben Mohamed al-Sabah e afirma ser da linhagem da família governante do Kuwait, todos eles de sobrenome Sabah.A famosa nora, identificada como Jane Felix Browne pelo jornal The Times, que apresentou a história no dia 11, não esclarece totalmente se possui nacionalidade britânica ou se é filha de mãe britânica.Origens"Meu pai veio para a Inglaterra em 1946", diz, se negando, em seguida, a fornecer outros detalhes sobre sua ascendência. "Não quero falar de minhas origens e as pessoas não têm por que se ocupar disso", acrescentou."Não me tornei muçulmana após meu casamento. Sou originalmente muçulmana e não cristã", afirma a mulher, de 51 anos.Apesar de reconhecer que usou "Jane" como segundo nome no Reino Unido, esclarece que em seu passaporte figura seu nome árabe."Rezo quando posso, uso véu quando vou a países árabes, tento cobrir meus braços. Entendo o árabe mais do que o falo, fico envergonhada de falar", disse.O marido, Omar bin Laden, que tem apenas 27 anos, também foi contatado pelo mesmo site - no qual podem ser vistas fotografias do casal - e minimizou a importância da diferença de idade "por este ser um assunto particular".Além disso, admitiu que sua primeira esposa é mais jovem que Zeina (o Islã permite até quatro).O casal se casou no Egito há um ano, mas o casamento ainda não foi legalizado na Arábia Saudita, pátria de Omar e para onde Zeina quer se mudar, apesar de continuar no Reino Unido.Zeina disse que conversa "entre 7 e 15 horas diárias" com Omar pela internet."Conversamos, ouvimos música e vemos televisão. Eu lhe ensino o inglês e ele me ensina a escutar e a ser mais compreensiva".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.