FRANZ NEUMAYR / APA / AFP
FRANZ NEUMAYR / APA / AFP

Vereador da cidade natal de Hitler renuncia após comparar imigrantes a ratos na Áustria

Comparação foi feita em um poema divulgado pelo político do FPÖ para desejar feliz Páscoa a moradores de Braunau am Inn

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2019 | 18h00

VIENA - Um vereador do ultranacionalista FPÖ, partido que governa a Áustria em coalizão com o ÖVP, renunciou nesta terça-feira, 23, após publicar um poema no qual comparava imigrantes a ratos. O vereador Christian Schilcher também era vice-prefeito de Braunau am Inn, cidade natal de Adolf Hitler

O vice-chanceler da Áustria e líder do FPÖ, Heinz-Christian Strache, anunciou a renúncia nesta terça-feira, 23. Schilcher deixará também o FPÖ para evitar danos ao partido, segundo Strache. 

O anúncio foi feito em um evento de lançamento da campanha do partido para as eleições da Eurocâmara. O FPÖ participará da aliança ultradireitista liderada pelo vice-primeiro-ministro da Itália, Matteo Salvini.

O vereador escreveu o poema intitulado como Die Stadtratte (O rato urbano, na tradução livre). O texto foi divulgado na semana passada em um panfleto no qual o FPÖ desejava feliz Páscoa aos moradores de Braunau am Inn. O período também coincidiu com o aniversário de Hitler, no dia 20 de abril. 

O poema critica a mistura de culturas e diz que os imigrantes que não se adaptarem à vida local devem ir embora rapidamente.

O chanceler da Áustria, Sebastian Kurz, afirmou que o texto é "extremamente racista" e exigiu que o FPÖ afastasse o vereador.

Segundo a agência austríaca APA, o Ministério Público está avaliando se processará Schilcher por crime de incitação ao ódio.

Essa não foi a primeira vez que o FPÖ se envolveu na publicação de mensagens ou controvérsia racistas, xenófobas e até neonazistas. 

Desde que chegou ao poder, no fim de 2017, o governo de coalizão do ÖVP e FPÖ centrou seu discurso na imigração, com medidas como reduzir as ajudas sociais e mensagens que vinculam os refugiados à delinquência. 

Em fevereiro, o governo anunciou estar estudando fórmulas legais que permitam deter de maneira preventiva solicitantes de asilo considerados "perigosos"

O Partido Social-Democrata, de oposição ao governo da Áustria, ressaltou que o poema lembra de "forma fatal" o tratamento dado a determinados grupos de pessoas durante o nazismo. 

A propaganda realizada pelo partido de Hitler na época chamava os judeus de ratos para que eles não fossem considerados humanos. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.