Veteranos de guerra podem pegar em armas, ameaça Mugabe

Presidente do Zimbábue afirma que combatentes que libertaram o país impedirão oposição de assumir o poder

Agências internacionais,

13 de junho de 2008 | 09h48

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, afirmou nesta sexta-feira, 13, que os veteranos de guerra estão prontos para pegar em armas para prevenir que a oposição vença o segundo turno das eleições presidenciais. Segundo a edição do jornal estatal The Herald, Mugabe teria dito para simpatizantes em um comício na quinta que os oficiais retirados teria questionado se ele estaria pronto para lutar.   Veja também: Mulher de opositor é queimada viva no Zimbábue   "Eles chegaram no meu gabinete após as eleições e perguntaram: podemos pegar em armas?", declarou o presidente durante ato em Murehwa. Segundo o jornal, Mugabe respondeu que ele não queria que o país voltasse aos tempos de guerra, mas que o Zimbábue jamais poderia ser liderado pela oposição. O Movimento Democrático para a Mudança (MDC, sigla em inglês), venceu o primeiro turno das eleições realizadas em 29 de março.   "Esta terra pela qual lutamos nunca será tomada pelo MDC, para que eles possam devolvê-la aos nossos antigos opressores, os brancos", disse o The Herald. A oposição, diplomatas estrangeiros no país e agências humanitárias internacionais, assim como um grande setor da população acusam Mugabe de usar a violência contra os partidários de Morgan Tsvangirai, rival do presidente na eleição, para garantir a vitória do presidente no segundo turno.   O candidato oposicionista à presidência, Morgan Tsvangirai, foi detido duas vezes na quinta-feira por algumas horas - pela quarta vez em duas semanas - quando fazia campanha. O secretário de seu partido, Tendai Biti, foi preso e acusado de traição.   (Com Reuters)

Mais conteúdo sobre:
ZimbábueRobert Mugabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.