Veto faz EUA cancelarem envio de munição a Israel

Os Estados Unidos foram obrigados a cancelar o embarque de munições para Israel a partir de um porto na Grécia, por causa de um veto do governo grego. Geoff Morrell, porta-voz do Pentágono, disse que a Grécia "tinha alguma objeção ao desembarque daquele carregamento em seu país". Segundo Morrell, os EUA agora estão buscando uma maneira alternativa de fazer o carregamento de munição chegar a Israel. A Grécia é integrante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar liderada pelos EUA.No 18º dia da ofensiva militar de Israel contra o território palestino da Faixa de Gaza, as forças armadas israelenses foram acusadas de usar bombas incendiárias de fósforo branco contra a população civil. O analista militar Marc Garlasco, do Human Rights Watch, disse à emissora árabe de televisão Al-Jazeera que "passamos por unidades de artilharia israelenses que tinham munição de fósforo branco com os detonadores instalados". "Claramente, eles estão usando fósforo branco, podemos dizer pelas explosões, com ''tentáculos'' que descem, e pelas chamas que continuam queimando", disse Garlasco.As leis internacionais permitem o uso de fósforo branco somente em foguetes luminosos que explodem no ar para ofuscar as forças inimigas, mas seu uso como munição é banido. Apesar disso, bombas de fósforo branco foram usadas como munição por Israel na invasão do Líbano, em 2006, e pelos EUA na destruição da cidade iraquiana de Fallujah, em 2004.Hoje, um deputado israelense pregou o uso de munição ainda mais mortífera na guerra contra Gaza: armas nucleares. Discursando durante conferência na Universidade Bar-Ilan, em Ramat Gan, o deputado Avigdor Lieberman, presidente do partido Beiteinu, disse que "precisamos a combater o Hamas como os EUA fizeram com os japoneses na Segunda Guerra Mundial". Para ele, o uso de bombas atômicas pelos EUA "tornaram desnecessária a ocupação do Japão". Com informações são da Dow Jones, Associated Press e Al-Jazeera.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.