Vice apoia reforma para 3º mandato a Cristina Kirchner

O vice-presidente da Argentina e presidente do Senado, Amado Boudou, apoia uma reforma constitucional na Argentina que permita uma terceira eleição da presidente Cristina Kirchner. Em reunião com cerca de 70 dirigentes políticos ligados ao governo, realizada ontem (26), em Mar Del Plata, Boudou disse que a discussão sobre o assunto não pode esperar até 2015, ano das próximas eleições presidenciais. Boudou deu a declaração no encerramento do encontro, após a deputada provincial (estadual) de Buenos Aires, Fernanda Raverta, representante do movimento de jovens kirchneristas, ter defendido a continuidade de Cristina Kirchner na presidência da Argentina.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE (AE), Agência Estado

27 de janeiro de 2012 | 21h41

"Eu peço ao presidente do Senado (Amado Boudou) e ao presidente da Câmara de Deputados (Julian Domínguez) a reforma constitucional pela segunda reeleição de Cristina", disse a deputada, segundo relatam fontes que participaram da reunião. Em entrevista a uma rádio de Buenos Aires, na manhã desta Sexta-feira (27), Boudou tentou suavizar a declaração. Segundo ele, se tratou de um contexto de "uma reunião de verão, de militantes, muito interna, onde foram debatidos muitos assuntos do tempo político".

"Eu estava ali como militante político", disse Boudou, tentando evitar a pergunta se ele confirmava a intenção do ''kirchnerismo'' de propor a mudança na legislação. Ele argumentou que "não é tempo de falar de engenharias eleitorais ou candidaturas", mas fez uma veemente defesa da administração de Cristina Kirchner. "O que eu sei é que a Argentina encontrou uma líder, que é muito mais que uma governante. Reúne características muito especiais porque não é só a capacidade de ação ou de gestão, mas também o contato que conseguiu estabelecer com o povo argentino", elogiou Boudou.

O debate sobre uma possível reforma eleitoral começou há um ano, quando Cristina se preparava para a campanha de reeleição. Na ocasião, a deputada Diana Conti, também da ala governista do Partido Justicialista, tentou emplacar a campanha "Cristina eterna", mas a Casa Rosada barrou a iniciativa. Agora, após a esmagadora vitória com 54% dos votos, os defensores de um terceiro mandato parecem ter retomado a campanha. A última reforma constitucional na Argentina ocorreu em 1994, durante o primeiro mandado de Carlos Menem (PJ), abrindo caminho para sua reeleição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.