Vice argentino depõe sobre falsificação

O vice-presidente argentino, Amado Boudou, prestará hoje depoimento perante o juiz federal Claudio Bonadío. Ele é suspeito de forjar documentos da compra de um automóvel de luxo em 1993 para não dividir esse bem com sua ex-mulher.

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

23 Julho 2014 | 02h02

O juiz acredita que Boudou alterou a data da compra do carro Honda CRX conversível para não dividir esse bem com sua ex-mulher Daniela Andriuolo quando se divorciou. Boudou teria falsificado uma assinatura e carimbos nos documentos que alteravam a data da compra para outubro de 1992, um ano antes de seu casamento.

Ele só admitiu ter sido casado quando essa relação veio à tona em uma investigação jornalística sobre sua declaração de bens, em 2009. Boudou, embora conte com o respaldo público da presidente Cristina Kirchner, está cada vez mais isolado no governo.

Boudou acumula outros problemas na Justiça. O principal é o processo iniciado no dia 27 de junho pelo juiz federal Ariel Lijo, para quem Boudou recebeu 70% das ações da gráfica Ciccone para salvar a empresa de pesadas dívidas com o Fisco.

Segundo Lijo, Boudou cancelou compras de máquinas modernas que a Casa da Moeda faria para aumentar sua capacidade de imprimir dinheiro. A medida tornou a terceirização da Ciccone imprescindível para atender a demanda de impressão de notas de 100 pesos gerada pela escalada inflacionária. Segundo Lijo, a empresa estava sob o comando formal de Alejandro Vanderbroele, considerado pelo juiz o testa de ferro de Boudou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.