Vice de Bin Laden assume o comando da rede al Qaeda

O veterano militante Ayman al-Zawahri assumiu o comando da rede al Qaeda depois da morte de Osama bin Laden, afirmou um website islâmico nesta sexta-feira. A decisão era esperada, já que havia anos al-Zawahri era o segundo na hierarquia da organização.

REUTERS

16 de junho de 2011 | 09h14

Braço direito de Bin Laden e o cérebro por trás de boa parte da estratégia da Al Qaeda, Zawahri prometeu este mês seguir adiante com a campanha da rede contra os Estados Unidos e seus aliados.

"A liderança geral do grupo Al Qaeda, depois da conclusão das consultas, anuncia que o xeque Dr. Ayman Zawahri, que Deus lhe dê sucesso, assumiu a responsabilidade pelo comando do grupo", disse em um comunicado o website islâmico Ansar al-Mujahideen (Seguidores dos Guerreiros Sagrados).

Depois da morte de Bin Laden por comandos dos Estados Unidos no Paquistão, há 45 dias, o médico Zawahri vinha sendo apontado como seu sucessor mais provável. Bin Laden era responsabilizado pelos ataques de 11 de setembro em Nova York e nos Estados Unidos.

O paradeiro de Zawahri é desconhecido, embora se acredite há muito tempo que ele esteja escondido entre o Afeganistão e o Paquistão. Os Estados Unidos estão oferecendo uma recompensa de 25 milhões de dólares a quem der informações que conduzam à sua captura.

O ex-funcionário do setor de inteligência dos EUA Robert Ayers diz que "falta carisma a Zawahri. Ele é uma sombra pálida de Bin Laden".

"Ele é um burocrata cinzento, não um líder que possa energizar e unir as tropas. A única coisa que sua promoção conseguirá é elevar sua prioridade como alvo dos EUA."

Sajjan Gohel, da consultoria de segurança da Asia-Pacific Foundation, disse que na prática Zawahri era havia muitos anos o chefe da Al Qaeda, mas não tinha a presença de Bin Laden e sua "habilidade de unificar as diferentes facções árabes no grupo".

Outros analistas o veem como uma figura mais talentosa.

O jornalista Abdel-Bari Atwan, que trabalha em Londres e entrevistou Bin Laden em 1996, afirmou que Zawahri era o "cérebro operacional" por trás da Al Qaeda, respeitado, em parte, por ser o mais próximo assessor escolhido por Bin Laden.

"Ele conseguiu transformar a Al Qaeda de uma pequena organização voltada para a expulsão dos interesses dos EUA na Arábia Saudita em uma organização mundial. Os homens que ele levou para a Al Qaeda, de seu grupo, a Jihad Islâmica egípcia, mostraram ser os instrumentos que impulsionaram a Al Qaeda internacionalmente."

Zawahri, cuja idade é estimada na casa dos 50 anos, conheceu Bin Laden em meados dos anos 1980 quando ambos davam apoio às guerrilhas que combatiam os soviéticos no Afeganistão. Ele é de uma família da classe alta do Cairo e tem formação como médico e cirurgião.

"Um sucessor valioso para um grande antecessor. Nós pedimos a Deus que dê a você e a seus soldados sucesso para a vitória do Islã e dos muçulmanos, e para levantar a bandeira da religião", escreveu no website um participante de outra página islâmica na Internet, a As-Ansar.

Em uma mensagem de vídeo colocada na internet em 8 de junho, Zawahiri disse que a Al Qaeda continuaria com sua luta.

(Reportagem de Sara Anabtawi, Isabel Coles e da redação no Cairo)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOZAWAHRIBINLADEN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.